Digite sua palavra-chave

post

Uso da alta frequência no controle da inflamação no couro cabeludo na dermatite seborreica

Uso da alta frequência no controle da inflamação no couro cabeludo na dermatite seborreica

Introdução

Os cabelos são de total importância para o ser humano e muito valorizado por ser considerado um adorno perfeito para os rostos. Para a mulher é considerado uma ferramenta de sedução e para o homem significa força. Entretanto, na Grécia antiga a calvície era associada a sabedoria e os sacerdotes raspavam a cabeça como demonstração de desapego. (Vieira; Machado; 2008).

O fio do cabelo é anatomicamente definido como a glândula sebácea anexada ao pelo, sendo definida como folículo piloso. Esta estrutura encontra-se na derme e está conectada a um músculo eretor. Na parte inferior ao pelo encontramos a papila dérmica, estrutura fundamental, o aporte sanguíneo é realizado por essa estrutura. Na parte mais profunda e espessa encontramos o bulbo que recobre a papila dérmica, matriz germinativa, onde encontramos os fibroblastos, que controlam o número de células e consequentemente o tamanho do pelo. (Cavalcanti, 2015).

O crescimento e o desenvolvimento do pelo não são contínuos. Eles seguem uma fase cíclica, alternando fases de repouso e de crescimento. As alterações dos pelo se compreendem em três fases: a anágena ou de crescimento, a catágena ou de regressão e a telógena ou de repouso. (Cavalcanti, 2015).

Os cabelos tem como principal objetivo, a proteção contra raios UV e servem como isolante térmico (Blume-Peytavi,2008). O crescimento do pelo é um processo contínuo e cada fio cresce num período de 4 a 6 anos, crescendo em média um terço de milímetro por dia. Faz uma pausa de 20 dias e cai. A perda de 100 fios por dia é considerada normal já que os fios estão em etapas diferentes do ciclo do cabelo.

A alopécia é uma patologia dermatológica inflamatória crônica e comum que desencadeia a perda capilar parcial ou total e afeta o folículo piloso.

Esta patologia pode ser classificada como cicatricial e não cicatricial. A cicatricial tem como característica primeiramente a inflamação e posterior perda do folículo piloso. Pode ser classificada como primária quando existe inflamação principalmente do folículo piloso e a secundária causada por distúrbios sistêmicos como a sarcoidose ou doença neoplásica.

A alopécia cicatricial tem como característica principal a perda definitiva do folículo piloso. A não cicatricial não tem a perda do folículo piloso, portanto é reversível. Ela se apresenta por três mecanismos. O primeiro seria a diminuição do número de folículos pilosos e consequentemente o número de cabelos. A segunda seria o eflúvio telógeno que seria a entrada precoce na fase telógena. O terceiro seria o eflúvio anágeno, ou seja, o encurtamento e a parada na fase anágena. Os principais tipos de alopécias não cicatricial são a tricolilomania, a alopécia aerata e a alopécia androgenética.

Temos como forma mais comum de alópécia a androgenética que afeta a perda do diâmetro, do comprimento e da pigmentação do cabelo. Tem como origem não tão somente o fator endógeno como doenças auto-imunes e predisposição genética como cancro e infecções bacterianas.

A alopécia apresenta fatores negativos como ansiedade e depressão, apesar de ter poucos efeitos nocivos (Rebelo,2015).

A dermatite seborreica é uma doença inflamtória crônica, não contagiosa e recorrente, que atinge cerca de 18% da população mundial. A faixa etária mais atingida são os adolescentes e adultos jovens entre 18 e 40 anos de idade. Existem mais três faixas etárias que também são acometidas com a dermatite seborreica, que são as crianças entre 2 e 12 semanas de idade, adultos entre 30 e 50 anos e os idosos.(5).

Existem algumas hipóteses que explicam as causas desta patologia crônica, já que suas causas ainda são pouco conhecidas. A primeira hipótese seria o aumento da epidermopoiese, resultando no aumento da produção de queratina, porém esta hipótese não está sendo aceita por vários autores. Outra hipótese seria a presença de um fungo (Pityrosporum ovale, posteriormente chamado de Malassezia sp ) presente na pele que acarretaria prurido e eritema.
Este fungo é encontrado em regiões da pele ricas em glândulas sebáceas por apresentar características lipofílicas.(Formariz, 2005).

Sabe-se que alguns fatores associados como: transpiração, oleosidade excessiva, falta de higiene, dieta inadequada e estresse favorecem o aparecimento e a proliferação de microorganismos que causam a doença. Já o seu agravamento é desencadeado por alterações no clima como tempo seco e clima frio. Usar condicionadores no couro cabeludo, não enxaguar adequadamente, usar água quente (causa ressecamento e efeito rebote na produção do sebo), se expor ao sol de maneira excessiva, situações do cotidiano que geram fadiga ou estresse emocional, ingestão de alimentos gordurosos, bebidas alcoólicas e o cigarro podem causar agravo a Dermatite Seborreica.(Lima,2005).

É bem provável que haja uma relação genética associada a um defeito do metabolismo da glândula sebácea que tem como resposta um aumento na produção de sebo aos estímulos recebidos. Esta pode também estar associado a outras doenças como a diabetes, doença de Parkinson, doença psiquiátrica, obesidade.(Formariz, 2005).

O local mais comum acometido pela dermatite seborreica é o couro cabeludo, podendo apresentar-se de algumas formas. A forma mais leve se apresenta geralmente com uma pequena descamação, sem eritema na base e sem sintomas, a caspa. A forma mais intensa se apresenta com uma aparência gordurosa e escamas aderidas ao couro cabeludo e de maior tamanho, podendo afetar todo o couro cabeludo.(Formariz, 2005).

Acredita-se que a principal manifestação da dermatite seborreica seja a irritação e que um dos principais fatores desencadeantes seja a ação fúngica, observando-se o desenvolvimento maior das lesões onde há a presença de fungos Mallassezia. Tal fator é explicado quando é utilizado antifúngicos e há melhora clínica. Uma das maneiras de se controlar a dermatite seborreica é a utilização de antifúngicos e queratolíticos, em forma de xampu que podem conter piritionato de zinco, sulfeto de selênio, cetoconazol, ácido salicílico (queratolítico que promove a remoção da pele morta), enxofre e alcatrão (queratolíticos e antissépticos). (Lima,2005).

Cerca de 72% da pessoas que dermatite seborreica apresentam algum grau de rarefação capilar, perda de cabelo. Em alguns casos tratando-se a dermatite seborreica há melhora da queda capilar.(Marquetti,2012).

No auxílio diagnóstico da dermatite seborreica e em outras patologias do couro cabeludo, na prática clínica, o uso da tricoscopia cada vez mais tem ganhado popularidade por ser uma técnica de baixo custo e de fácil execução, favorecendo a sua utilização em consultórios e clínicas. Além de fornecer um diagnóstico imediato que nem sempre seria clinicamente evidente. Muitas doenças do couro cabeludo têm suas imagens e estruturas tricoscópicas bem
definidas.(Almeida, 2013).

O tratamento desta patologia pode ser feito de diversas formas, entre elas, a alta frequência, um equipamento desenvolvido por Werner von siemes em 1857 na Alemanha.

O primeiro gerador de alta frequência foi utilizado por Kleinmann para realizar experimentos precursores sobre a utilização do gás ozônio em bactérias e germes e posteriormente em animais e humanos. Em 1870 há o primeiro relato do ozônio tem sido utilizado terapeêuticamente para a purificação do sangue, por C. Lender na Alemanha. Há uma menção em 1881 do ozônio ser usado como desinfetante pelo Dr. kellog. Já no Brasil o ozônio foi introduzido em 1975, pelo médico paulista Dr. Henz Konrad, que inclusive, segundo Barros, 2007, utilizava a técnica de ozônio até a aquele período.

Alta Frequência é um aparelho que produz a passagem de ondas eletromagnéticas pelo ar provocando a formação de ozônio, quando usado na superfície da pele. O o ozônio (O3) uma substância instável e se decompõe rapidamente em oxigênio molecular, também conhecido como peróxido (O2) e atômico (O). O ozônio atômico é bastante agressivo e tem ação desinfetante. Já peróxido tem ação fundamental nas paredes das células infectadas por vírus e causa destruição suas paredes por ozonólise. Acredita-se que o ozônio cause danos à parede da célula do microorganismo e depois a oxidação dos minoácidos e ácidos nucleicos. (Barros, 2007). Alta Frequência tem também com objetivo o efeito térmico, com a produção de calor, que produz ação vasodilatadora periférica local seguido por uma ação vasoconstrictora, descongestionante. Neste sentido, o ozônio tem grande importância no tratamento de
patologias causadas por vírus, fungos e bactérias.(Dos Santos, 2017).

Metodologia

Trata-se de um estudo de caso, para o qual foi elaborada uma pesquisa descritiva, utilizando como técnica de coleta de dados, um questionário investigativo cujo objetivo era promover uma avaliação mais detalhada do cliente.

Bem como uma pesquisa bibliográfica incluindo artigos científicos, revistas e dados da internet, nas seguintes bases de dados: Google Acadêmico, Google, SCIELO, Biblioteca Virtual em Saúde e revistas como: Revista da Sociedade
Portuguesa de Dermatologia e Revista Fisioterapia e Pesquisa, além de teses de conclusão de curso em pós graduação. A busca foi realizada entre os meses de abril a setembro de 2018 e por artigos publicados por profissionais de saúde que abordassem os temas como couro cabeludo, dermatite seborreica e alta frequência. Foram encontrados 25 artigos, porém foram utilizados 11, considerando a abordagem do tema e o estudo proposto, como critério de exclusão. O cliente mediante o conhecimento da técnica de alta ,frenquência e das orientações dadas a ele, no cuidado com os cabelos e o couro cabeludo, como: lavar os cabelos diariamente, evitar o uso de água quente, usar um xampu a base de cetoconazol uma vez na semana, assinou o termo de consentimento para o procedimento dermatofuncional.

A tricoscopia foi utilizada como recurso diagnóstico e de controle diagnóstico realizado por um tricoscópio (Microscópio Profissional Digital 1000x Câmera 2 mp).

Foram realizadas 4 sessões, com um intervalo aproximado de 1 semana. A cada sessão, o cliente era reavaliado com o uso da tricoscopia, sendo feito fotos com o objetivo de registrar e posteriormente fazer uma avaliação comparativa com as fotos das sessões seguintes e anteriores. O cliente é um indivíduo do sexo masculino, pardo, 45 anos, morador da cidade do Rio de Janeiro.

A coleta de dados foi realizada de forma presencial, no dia 05 de julho de 2018. O questionário utilizado teve caráter avaliativo e nela constava uma pergunta inicial na qual o cliente expôs sua queixa principal. Neste caso, o indivíduo procurou o profissional de Tricologia para tratar a alopécia. Dando continuidade a entrevista, foi perguntado há quanto tempo a alopécia existia e este informou que há aproximadamente 15 anos. Relatou também que com o passar dos anos a queda capilar aumentou e que o fio do pelo ficou mais fino. Como outras alterações foi relatado coceira, oleosidade, formação de feridas, crostas e caspas. O mesmo informa que pai e irmão são portadores de alopécIa e que já fez uso de finasterida 1mg/dia. Não soube informar há quanto tempo fez uso, porém informou que descontinuou o tratamento por falta de libido.

Em relação aos cuidados com o couro cabeludo informou que faz uso de forma contínua do mesmo xampu anti caspa diariamente.

Dando prosseguimento à avaliação, macroscopicamente nota-se a presença de entradas localizadas bilateralmente na área frontal e a presença de alopécia na região da cúpula craneana.

Realizado o questionário investigativo e o exame tricoscópico, estabeleceu-se um protocolo de tratamento e de acompanhamento diagnóstico. O couro cabeludo foi higienizado com uma solução higienizante, uma solução de desincruste, contendo ácido salicílico, por todo couro cabeludo. Posteriormente aplicado a eletroterapia com o aparelho de Alta Frequência (Versatile AF7- TONEDERM) de maneira direta ou efluviação, que consiste na aplicação direta do eletrodo de vidro sobre a área a ser tratada, realizando uma suave massagem. Em relação â intensidade de aplicação foi utilizado um faiscamento ou luminosidade do eletrodo de acordo com o conforto e tolerância do cliente por 5 minutos.Sugeriu-se que o cliente mudasse alguns hábitos diários, como a inclusão de um xampu a base de cetoconazol. Sugeriu-se também que evitasse lavar o cabelo com água quente e evitasse alimentos gordurosos.

Discussão

Ao analisar a revisão bibliográfica acerca do tema proposto, observou-se muita informação a respeito do fator positivo do uso da alta frequência.(Korelo, 2013; Dos Santos,2017,) em patotologias inflamatórias devido as suas propriedades bactericidas, germicidas e fungicidas. Muitas doenças agudas e crônicas atualmente têm sido tratadas com a ozônioterapia por ser capaz de interferir na oxirredução. O ozônio é um importante antioxidante. (Korelo,2013). Segundo Marquetti, 2012, auxilia na produção de citocinas, ativa linfócitos T, melhora a oxigenação e o metabolismo celular por vasodilatação e produz aumento da resposta enzimática antioxidativa, auxiliando de forma efetiva no tratamento de lesões cutâneas causadas por diferentes microorganismos. (Marqueti, 2012).

Resultados

Durante a avaliação microscópica, em 05 de julho de 2018, utilizando um tricoscópio, foram observadas algumas alterações positivas, principalmente em couro cabeludo, apesar de haver também algumas alterações no fio do cabelo.

Conforme as figuras 1, 2 e 3, o que mais fica evidente, em grande parte, é a presença de hiperemia e processo inflamatório. Existem áreas em que o couro cabeludo encontra-se normal, sem alterações inflamatórias, porém há a presença de sebo, figura 4. Há a presença de oleosidade em praticamente todo couro cabeludo, observado de maneira mais evidente na figura 2 e 3. Existem lesões, figura 5. Diminuição do número de pelo por folículo e evidência de miniaturização do fio quando fazemos um comparativo em toda superfície, figuras 2 e 4.

Em 12 de julho de 2018, foi realizado novamente o exame tricoscópico do cliente e este apresentou os seguintes resultados:

As figuras acima, 6, 7 e 8, mostram a diminuição da hiperemia no couro cabeludo em comparação com as analisadas no primeiro momento, figuras 1,2,3,4 e 5, sugerindo que houve uma diminuição no processo inflamatório. Apesar das fotos mostrarem tal resultado, existem evidências de que o couro cabeludo ainda está com sua higiene ineficaz, mostrando acúmulo de sebo nos folículos pilosos.

Novamente foi feito a higiene do couro cabeludo com uma substância higienizadora a base de ácido salicílico, que é um queratolítico, com o objetivo de limpar e retirar as células mortas. Aplicou-se a eletroterapia com o aparelho de Alta Frequência. Em relação a intensidade de aplicação, também foi utilizado um faiscamento ou luminosidade do eletrodo de acordo com o conforto e tolerância do cliente por 5 min.

No dia 19 de julho, após o exame tricoscópico e analisando as figuras acima, sugerem diminuição da hiperemia, do processo inflamatório, de forma significativa, porém ainda há sinais de acúmulo de sebo. É importante ressaltar que não se observou a presença de lesões como na figura 5. Aplicou-se novamente o protocolo de tratamento.

Em 26 de julho de 2018, analisou-se novamente o couro cabeludo e as figuras acima, 12,13 e 14, mostram melhora significativa da hiperemia e um couro cabeludo com pouca sugidade, pouca evidência de sebo. Não foi observada a presença de lesões como na figura 5. Mantevese o protocolo de tratamento.

Acima as fotos comparam o couro cabeludo no início do tratamento (a figura 15),feito no dia 05 de julho de 2018 e no final do tratamento (figura 16) feita no dia 26 de julho de 2018.

Conclusão

A proposta deste estudo foi demonstrar que a utilização da alta frequência como recurso eletroterápico na tricologia, em especial, na dermatite seborreica, é um recurso que colabora para o controle da inflamação e colabora para o tratamento das lesões por ela causada.

Buscando-se a análise bibliográfica, foi unânime a defesa da ação antibacteriana, fungicida e bactericida da ação do ozônio em contato com a pele durante a aplicação do aparelho de alta frequência. As fotos realizadas com o tricoscópio durante a avaliação e controle avaliativo, demonstraram que houve uma melhora significativa no processo inflamatório, visualizado pela diminuição da hiperemia e pela ausência de sinais de lesões no couro cabeludo. Estes sinais que, associados a outros, como a coceira, a existência de placas de gordura, o sebo, também
foram visualizados em menor intensidade durante a evolução do tratamento.

Pode-se concluir que a queixa do paciente é proveniente de vários fatores, constatados com a utilização do tricoscópio. A associação do gerador de alta frequência associada a diversas mudanças de hábitos, trouxeram resultados muito positivo que resultaram em satisfação do paciente.

Bibliografia

1. VIEIRA, T. C; MACHADO, C. DE; MOGER, D.: Disfunções do couro cabeludo: uma abordagem sobre a caspa e a dermatite seborreica. Universidade do Vale do Itajaí Balneário Camburiú Santa Catarina (UNIVALI),2008.

2. CAVALCANTI, C.P: Protocolo de tratamento da alopécia: uma revisão. Campina Grande Paraíba 2015 Universidade Estadual da Paraíba Centro de Ciência Biológicas e da Saúde CCBS Departamento de Farmácia Curso de Graduação em Farmácia.

3.BLUME-PEYTAVI, U., TOSTI., et al (2008): Biology of the hair follicle. In: hair growth and disorders, Spring Editions, 2008: 1-19.

4. REBELO, A.S; REIS, C.P: Novas Estratégias paramento tratamento da alopécia. Lisboa, Universidade lusófona de humanidades e tecnologia. 2015.

5. FORMARIZ, T.P; SPERA,L.J; URBAN,M.C.C; CINTO, P, DE O; GREMIÃO, M.P.D: Dermatite Seborreica: Causas, Diagnóstico e Tratamento. Nfarma, v.16, nº 13-14, 2005.

6.Lima, G.C.G; Comarella, L: Sugestão de desenvolvimento de formulações de xampusabonete auxiliar no tratamento da dermatite seborreica. Revista Uniandrade V.13 N.2, 2005.

7. MARQUETTI, M.G.K; RUARO, J,A; FREZ,A,R: Efeito do gerador de alta frequência no crescimento bacteriano in vitro, RECIFE – PE, 2012.

8.ALMEIDA, T,P; MACHADO S; SELORES, M: Estruturas tricoscópicas e sua aplicabilidade nas patologias do cabelo e do couro cabeludo, PORTO, 2013.

9.BARROS, C.C.; SANTOS, V,N,DA SILVA, DOS SANTOS B,F: Tratamento da verruga ungueal causada por HPV com uso do gerador de Alta Frequência: Relato de caso.Revista de Especialização em Fisioterapia. Vol 1 – nr 2 – out/nov/dez – 2007.

10.DOS SANTOS, G.A; NOVO, P.A.A: Efeito da Alta Frequência após a depilação – Revisão de Literatura, Universidade Tuiuti Curitiba-PR.2017.

11. Korelo, R.I.G; De Oliveira, J.J; Souza, R.S.A; Hullek, R, F; Fernandes, L.C: Gerador de Alta Frequência para tratamento de úlcera por pressão: estudo piloto. Fisioter: Mov., Curitiba, v.26, p.página 715-724,set/dez.2013.



Conteúdo Relacionado

Sem comentários

Adicione seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Open chat
Olá! Seja bem-vindo(a). Se tiver alguma dúvida, me procure. Estou a disposição para te ajudar.