Digite sua palavra-chave

post

Metodo de Humanização com Uso de Rede de Balanço em UTI’s Neonatais: Uma Revisão Bibliográfica

Metodo de Humanização com Uso de Rede de Balanço em UTI’s Neonatais: Uma Revisão Bibliográfica

INTRODUÇÃO
A unidade de terapia intensiva (UTIN) neonatal é o ambiente destinado a receber recém-nascidos (RN´S) que nasceram prematuros, com baixo peso, alterações cardíacas ou respiratórias, ou que apresentem algum problema que interfira em seu desenvolvimento.
Para Cruvinel, a hospitalização torna-se um elemento de risco pelas condições biológicas em que o bebê se encontra e pelo contexto do ambiente que se apresenta. O hospital, em geral, é um lugar desconhecido, frio, com restrição de espaço físico e ausência de estímulos adequados. Estímulos como os barulhos estranhos e a realização de procedimentos invasivos, contribuem na construção de uma experiência desagradável acompanhada de medo, ansiedade, dor e muitas vezes sensação de abandono devido aos pais não poderem permanecer ao lado da criança o tempo todo. A luminosidade é intensa e contínua, o repouso inadequado e ocorre um excesso de manipulação para procedimentos clínicos. Os bebês geralmente permanecem longos períodos em seus leitos em uma mesma posição, com pouco espaço para se movimentarem, recebendo os cuidados mínimos necessários.
O Ministério da saúde (2011) afirma que a atenção humanizada ao RN deve caracterizar-se pela segurança técnica da atuação profissional e por condições hospitalares adequadas, aliadas à suavidade no toque durante a execução de todos os cuidados prestados. Especial enfoque deve ser dado ao conhecimento do psiquismo do bebê, seja em sua vida intra como extrauterina, da mãe, do pai e de toda a família. Trabalho importante também deve ser desenvolvido com a equipe de saúde, oferecendo-lhes mecanismos para uma melhor qualidade no trabalho interdisciplinar. O recém nascido pré-termo, internado em uma unidade neonatal, tem sua “energia” distribuída de forma diferente do bebê a termo, já que o sistema autônomo exige uma maior demanda para seu funcionamento, seguido do sistema motor, deixando muito pouco para o funcionamento dos demais subsistemas. Porém, devido ao baixo limiar para atender aos estímulos do meio, o RN prematuro não concentra toda sua energia para atender as demandas dos subsistemas autônomo e motor, acarretando desorganização neurocomportamental. Frente a um ruído, por exemplo, o bebê pode responder com dificuldade de habituação, taquicardia, apneia, hipotonia, hiperalerta ou até completa exaustão. Em contrapartida, o esforço para diminuir a demanda de um subsistema pode
ter influência positiva nos demais. A demanda energética do subsistema motor pode ser diminuída por uma contenção adequada, com menor manipulação resultando em melhor homeostase.
Conforme Pereira, para favorecer um posicionamento adequado são utilizadas algumas estratégias nas UTIN que incentivam a posição flexora permitindo manter o conforto, proporcionando estabilidade, alinhamento postural, contenção, redução de gastos de energia e do estresse fisiológico e comportamental do RN. Recursos que simulem o útero da mãe têm sido comumente utilizadas em UTIN, dando suporte a postura e o movimento, otimizando o desenvolvimento do esqueleto e favorecendo diversos estímulos.
Quando se encontra diante de um ambiente desfavorável o ritmo de desenvolvimento se torna lento, restringindo, assim, as possibilidades de aprendizado, influenciando negativamente as suas habilidades neuromotoras.
Segundo Margoto, o posicionamento inadequado por tempo prolongado associado a um quadro de hipotonia global do recém-nascido prematuro e a ação da gravidade contribuem para anormalidades posturais e alterações da mecânica respiratória. Enquanto, o posicionamento adequado promove a flexão fisiológica normal, mesmo nos recém-nascidos extremamente prematuros, nos quais o tônus flexor é significativamente menor em relação aos recém-nascidos a termo. Além disso, o posicionamento adequado aumenta a orientação à linha média e promover o estado de organização.
Muitos produtos, tanto artesanais quanto comerciais, estão disponíveis para auxiliar o posicionamento de RN e promover a estabilidade postural e do movimento das posições de flexão e semiflexão.
Existem vários recursos de intervenção precoce, sobretudo em período neonatal com recém-nascidos pré-termos. Dentre estas, destaca-se a “redinha”, que é o uso de pequenas redes dentro (ou fora) das incubadoras, O dicionário da língua portuguesa Priberam, define rede como: “Malha feita de fios entrelaçados com espaços regulares, que se suspende pelas extremidades para nele dormir ou descansar.
De acordo com Cavalaria, a redinha utilizada em UTIN consiste, ressaltando apenas que em seu objetivo se acrescenta o posicionamento adequado ao recém-nascido pré-maturo. As redinhas propiciam aconchego dos bebês nas incubadoras, além de estimular os sentidos e amadurecer os reflexos primitivos.
Há diversos estudos sobre causas de formação de ulcera por pressão (UP) relacionadas ao repouso na cama. Dessas causas, as pressões nas proeminências ósseas e a retenção de calor na pele por isolamento térmico do colchão representam dois importantes fatores extrínsecos predisponentes a formação das UP.

OBJETIVOS
O presente estudo tem por objetivo informar aos profissionais de saúde os benefícios da utilização da rede de balanço na unidade de terapia intensiva neonatal. A importância do correto posicionamento para o desenvolvimento neuro psicomotor e a humanização no cuidado neonatal.

MATERIAIS E MÉTODOS
Este estudo de revisão se trata de uma pesquisa baseada exclusivamente em material já existente, como livros, artigos científicos, revistas indexadas, monografias, dissertações e material on-line utilizando as palavras chaves em inglês: neonatal ICU, humanization, positioning, balance sheet network; e português: UTI neonatal, humanização, posicionamento, rede de balanço.

RESULTADOS E DISCUSSÃO
• Vantagens da utilização da rede de balanço
Sua disposição (um retângulo de tecido suspenso pelas duas extremidades) favorece a posição flexora com alinhamento dos membros e da cabeça, contribui para a organização neuromotora e cognitiva, favorece o sistema respiratório, facilita a alimentação, melhora o comportamento, propicia a interação social e, auxilia nas habilidades neuromotoras, visuais e auditivas.
Conforme Diana, os benefícios apontados são o ganho de peso mais rápido, melhora da frequência cardíaca e respiratória, postura e desenvolvimento motor, desenvolvimento neurossensorial, bem como se identificou a redução do estresse, pro-moção de conforto, redução do risco de escara e diminuição do desconforto causado nos familiares pelos aparelhos da UTI Neonatal, o que implica no fortalecimento do vínculo entre mãe e bebê.
Em publicação na Revista do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, em uma abordagem sobre a terapia ocupacional na humanização do atendimento neonatal, realizada no Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão, é possível destacar a redinha sendo usada para “evitar extensões ou retrações indesejadas, analisando a sensibilidade e atuando junto ao sistema vestibular, importante para o equilíbrio e propriocepção”.
Para Constâncio, os critérios para o uso da rede são: estar clinicamente estável, sem necessidade de suporte de oxigênio, frequência cardíaca estável, sem uso de tecnologia de aparelhos, bebês com peso entre um e dois quilos, mas também indicada para apressar o ganho de peso em bebês que já se recuperaram de alguma doença e precisam ficar na incubadora.
No entanto, alguns bebês podem não se adaptarem à rede, ressalta-se a necessidade de o cuidador, ao fazer a intervenção, levar em conta a individualidade de cada paciente, observando sua aceitação através dos sinais fisiológicos e comportamentais emitidos pelo bebê. Este estudo sugere que a rede de descanso seja utilizada como uma das medidas de conforto para o bebê e não em substituição ao ninho. A rede apresentou alguns benefícios diante do ninho, mas não pode ser indicada como utilização padrão e contínua.

• Desenvolvimento neuromotor
De acordo com Oliveira, o desenvolvimento motor do primeiro ano de vida é uma fase extremamente delicada e rica de estímulos para o bebê, com mudanças complexas e interligadas, dependente tanto da maturação dos aparelhos e sistemas do organismo, como também, do ambiente e das tarefas. A intervenção motora precoce é de grande
importância para uma otimização deste processo, proporcionando avanços nas aquisições motoras.
Acredita-se que os recém-nascidos prematuros podem apresentar atraso em seu desenvolvimento neuropsicomotor (DNPM) e lesões no sistema nervoso central (SNC) devido à imaturidade e fragilidade do seu sistema nervoso.
Os riscos para o atraso no desenvolvimento neuromotor estão associados a diversos fatores classificados como biológicos, sociais e ambientais. Dentre estes, destacam-se a prematuridade, a morbidade neonatal e a desnutrição.

• Posicionamento
Por não adquirirem um tônus adequado e, após o nascimento, sofrerem ação da gravidade, os RN adquirem à postura de extensão que é diferente da postura habitual intrauterina. Esta posição de extensão priva o bebê de uma flexão adequada, interferindo no desenvolvimento motor podendo refletir em agravos na vida adulta.
Um dos fatores que podem interferir reduzindo ou aumentando a complacência do sistema respiratório é o posicionamento do paciente no leito. Atualmente se preconiza que ocorram mudanças de posicionamento a cada duas horas nos pacientes internados em UTI.
As posturas convencionais utilizadas na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal acabam prejudicando o tônus flexor próprio do recém-nascido, sendo que a utilização da rede como método humanizado proporciona uma melhora na reorganização tônica e comportamental, e, sobretudo favorece o tônus flexor, e alguns fatores que foram prejudicados pela prematuridade como as reações de equilíbrio, de proteção e integração sensorial.

FIGURA 1 -RN EM DECUBITO DORSAL NA REDE DE BALANÇO (UTI)
FONTE:https://www.metropoles.com/distrito-federal/saude-df/projeto-nenem-na-rede-embala-sono-de-prematuros-na-uti-neonatal-do-hrc

Com o posicionamento adequado na rede o recém-nascido tem demonstrado diminuição da irritabilidade, redução de perda de calor, menor gasto de reserva energética, e assim proporcionando aumento do peso, além de possibilitar estimulação sensorial, visual, auditiva e tátil, disponibiliza conforto, uma melhora na frequência cardíaca, da função respiratória, e da saturação de oxigênio, esses itens contribuem muito para a evolução do desenvolvimento neuropsicomotor do bebê pré-termo.
Estudos de LINO E ZAZEM comprovam que a “redinha” mantém a posição flexora bem semelhante ao útero no período pós-natal, encurtando a fase distônica do bebê, além de facilitar a posição de trazer as mãos para a linha média, a qual é marco fundamental para o desenvolvimento neuromotor do RNPT no primeiro ano de vida.

FIGURA 2- RN EM DECUBITO LATERAL NA REDE DE BALANÇO (UTI)
FONTE:http://g1.globo.com/bahia/noticia/2015/10/tecnica-de-rede-auxilia-recuperacao-de-recem-nascidos-em-uti-na-ba.html

De acordo com Tamez, a curto prazo, a postura inadequada leva o prematuro à tensão, contraturas, epistótono, achatamento do crânio, rotação externa do quadril, dores musculares, postura assimétrica, movimentos bruscos, irritabilidade, desorganização e estresse além de proporcionar má qualidade do sono.
No que refere ao sistema tegumentar, a mudança postural constitui uma importante estratégia para preservar a integridade cutânea do RNPT, promovendo a distribuição dos pontos de pressão e com isso reduzindo a incidência de lesões.

CONCLUSÃO
A rede de balanço como um método de humanização dentro da unidade de terapia intensiva vem sendo recomendada pelos seus benefícios e por não prejudicar a sua situação clínica, onde o RN recebe conforto, proporcionando estabilidade, alinhamento postural, melhoras significativas do estresse ,contenção, redução de gastos de energia, além de simular o útero da materno.
É clara a importância da intervenção fisioterapêutica no atendimento dos RN´s buscando melhoras no estado clinico próximas ao padrão de normalidade, assim evitando possíveis complicações.



Conteúdo Relacionado

Sem comentários

Adicione seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Open chat
Olá! Seja bem-vindo(a). Se tiver alguma dúvida, me procure. Estou a disposição para te ajudar.