Digite sua palavra-chave

post

Tratamento Fisioterapêutico em Crianças Queimadas

Tratamento Fisioterapêutico em Crianças Queimadas

As lesões por queimaduras constituem uma das principais causas de internação no mundo. Atingindo pessoas de ambos os sexos e de todas as idades, onde as crianças são as principais vítimas, principalmente de 1 a 5 anos de idade. Pode-se constatar um maior índice de crianças queimadas devido à idade, onde a criança se torna mais observadora e mais curiosa sobre a vida a sua volta (1).

Nos últimos anos tem ocorrido um grande avanço no tratamento das queimaduras, tanto médico quanto fisioterapêutico, resultando em uma maior sobrevida dos pacientes internados com queimaduras graves e, o mais importante, uma maior sobrevida com uma qualidade de vida similar a que ele tinha antes do trauma.

A PELE

A pele é um componente essencial do sistema imune inespecífico, protegendo o hospedeiro. Logo, tendo a ruptura dessa barreira protetora, o corpo encontra-se com o sistema imunológico comprometido, podendo levar o paciente a uma infecção (2).

Como se sabe, a pele é o maior órgão do nosso corpo e é constituída por duas camadas: a derme, que é a camada mais profunda e a epiderme, a camada mais externa e a qual entra em contato com o ambiente. Pode-se incluir uma terceira camada que, não faz parte da pele, mas que dependendo do grau da queimadura pode ser envolvida na lesão que é a camada subcutânea de células adiposas, a hipoderme, que apenas serve de suporte da pele e faz a união com os órgãos subjacentes.

Apresenta inúmeras funções dentre as mais importantes estão proteger o organismo contra a perda de água por evaporação e contra o atrito. Através de suas terminações nervosas, em contato com o ambiente externo, tem papel importante na regulação da temperatura corporal (3).

A epiderme é constituída por um epitélio estratificado, ou seja, apresenta mais de uma camada de células; pavimentoso, formado por células achatadas, avascular e queratinizado. A maior parte de suas células são os queratinócitos, seguidos das células de Langerhans, células de Merkel e melanócitos. A queratina é responsável pela proteção. Na epiderme há duas camadas importantes para o entendimento da lesão por queimadura, são essas: o estrato córneo e o estrato granuloso. O estrato córneo é atua com a função de impermeabilidade á água, dificultando a sua evaporação e, proteção contra infecções. Já o estrato granuloso atua na retenção hídrica e na regulação térmica. É avascular e seus nutrientes e oxigênio chegam a ela por difusão a partir dos vasos sanguíneos da derme (4).

A junção entre a derme e a epiderme se dá através de papilas, dando maior superfície de contato com a derme e uma maior resistência ao atrito. Essas papilas são mais frequentes em zonas sujeitas a pressão e ao atrito.

A derme é composta por vasos sanguíneos, estruturas linfáticas, glândulas sudoríparas, glândulas sebáceas, folículos pilosos e terminações nervosas. A derme é dividida em duas camadas: a camada papilar, mais superficial e a camada reticular, mais profunda.  As duas camadas possuem fibras elásticas, dando elasticidade à pele.

A hipoderme é constituída por tecido conjuntivo frouxo ou adiposo, unindo a derme aos órgãos subjacentes. É responsável pelo deslizamento da pele sobre as estruturas na qual se apoia. Tem como outras funções: reservatório energético, isolante térmico, absorção de choques e modelar a superfície corporal (5).

A QUEIMADURA

Mais de dois milhões de pessoas por ano são levadas ao hospital nos Estados Unidos vítimas de queimaduras. Muitas queimaduras são pequenas e não necessitam de intervenções mais sérias, porém, 70.000 pessoas são hospitalizadas por causa dessas lesões e cerca de 20.000 têm lesões tão graves a ponto de serem encaminhadas a unidades intensivas de tratamento (6).

As lesões por queimaduras são a terceira causa de morte acidental em todas as faixas etárias. A faixa etária mais atingida são crianças de até 5 anos de idade, onde grande parte dessa lesão ocorre devido a acidentes domésticos, como: queimaduras por eletricidade, água fervente em panelas e queimaduras devido às roupas em fogo (7).

A queimadura são lesões na pele, provocadas geralmente pelo calor ou frio, podendo também ser provocadas por eletricidade, contato com produtos químicos, radiações e até fricção. A sua gravidade vai depender do tempo de exposição e do tipo de agente causador, da extensão e da profundidade da área lesionada pela queimadura.

CLASSIFICAÇÃO DAS QUEIMADURAS (8):

As queimaduras podem ser classificadas de acordo com o agente causador (físico, químico, biológico), profundidade ou grau, extensão e localização.

-> Quanto à profundidade:

As queimaduras podem ser classificadas em:

– Queimaduras de Primeiro Grau: é mais superficial, acometendo a parte mais externa da epiderme. Não tem sangramento visto que a epiderme não é vascularizada.  Apresenta eritema, dor ao toque e, em alguns casos, febre. A cicatrização costuma ser rápida e logo em seguida há descamação da epiderme.

– Queimaduras de Segundo Grau: principal indício são os flictemas (bolhas) que é a manifestação de um descolamento dermo-epidérmico. É extremamente dolorosa devido à exposição de terminações nervosas atingidas.

-Queimadura de Terceiro Grau: é a lesão de toda a espessura da epiderme e derme. As feridas aparecem como queimaduras espessas, secas, esbranquiçadas e com aspecto de couro. Nos casos mais graves a pele tem uma aparência carbonizada.

– Queimaduras de Quarto Grau: Além de atingir todas as camadas da pele, podem destruir músculos, tendões e em casos mais graves danificar os ossos. É uma queimadura esbranquiçada, ocorre necrose e não há dor devido à destruição das terminações nervosas do local. A sua volta haverá queimaduras de primeiro, segundo e terceiro graus.

-> Quanto à extensão:

– Pequeno Queimado: pacientes com queimaduras de 1 e 2 graus com até 10% da área corporal atingida.

– Médio Queimado: pacientes com queimaduras de 1 e 2 graus com área corporal atingida entre 10 – 25%, ou de 3 grau com até 10% de área corporal atingida ou, queimadura de mão e/ou pé.

– Grande queimado: pacientes com queimaduras de 1 e 2 graus com área corporal atingida maior do que 26%, ou de 3 grau com mais de 10% da área corporal atingida ou, queimadura de períneo.

Para uma rápida estimativa aplica-se a Regra dos Nove criada primeiramente por Pulaski e Tennison (9) e melhor adaptada para crianças por Lund e Browder (6). Esta divide a superfície corporal em áreas que são 9%, ou múltiplos de 9% da superfície corporal total. Dependendo da extensão da lesão térmica, da profundidade e do tipo da queimadura, podem ocorrer complicações sistêmicas secundárias (4).

São respostas tais como: hipovolemia podendo levar ao choque se não revertido, insuficiências renal aguda, respiratória e cardíaca, diminuição de peso corporal, diminuição das reservas de energia que são vitais para o processo de cicatrização das lesões, infecções, ossificação heterotópica, neuropatia periférica assim como também, a uma parada cardiorrespiratória.

TRATAMENTO

O tratamento do paciente queimado é multidisciplinar onde cada área de atuação terá extrema importância. O médico terá como objetivo manter suas funções vitais e evitar complicações; a enfermagem terá como objetivo a monitoração do paciente durante o tempo de internação; o fisioterapeuta terá como objetivo viabilizar ao paciente uma reabilitação motora, deixando-o completamente independente e sem sequelas, quando possível (8).

-> Tratamento médico:

O objetivo principal do tratamento das feridas por queimadura é o fechamento e a cura. É um dos objetivos também estabilizar o paciente abordando os principais problemas que colocariam sua vida em risco. São esses: estabelecer e manter a via aérea, prevenir hemorragias, estabelecer extensão e profundidade da queimadura, reduzir ou prevenir perda de líquidos com a hidratação, limpar a ferida, tratar a dor, prevenir contra infecções e complicações secundárias.

O tratamento cirúrgico precoce do tecido queimado, desbridamento extenso do tecido necrótico e enxertia de pele, quando possível, diminui a mortalidade associada a queimaduras graves. Além disso, o uso de anti-microbianos, como: creme de sulfadiazina de prata e nitrato de prata, diminui a possibilidade de infecções nas feridas.

Tratamento com antibióticos também são prescritos devido aos micro-organismos presentes na própria unidade de tratamento de queimados. Todos os pacientes com lesões por queimaduras devem receber reforço da vacina antitetânica, se não receberam uma dose de reforço nos últimos cinco anos.

-> Tratamento Fisioterapêutico

De acordo com a Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ) e da American Burn Society entre outras, o tratamento fisioterapêutico, quando realizado uma intervenção precoce, é o diferencial para que o indivíduo queimado receba alta do hospital com o mínimo de sequelas possíveis e que uma reabilitação motivadora tenha sido realizada.

As ações da Fisioterapia são bastante amplas, apresentando condutas importantes desde o momento inicial da internação ao acompanhamento ambulatorial.

Tendo em vista nesse trabalho o foco totalmente direcionado para as crianças vale ressaltar que trata-se de um trauma sério, onde a criança sente-se totalmente exposta à pessoas que ela não conhece, em um ambiente fora do normal de sua vida, com uma rotina sofrível, tendo que realizar o tratamento médico, que é doloroso e também, o tratamento fisioterapêutico, que requer paciência e motivação.

Cabe ao profissional da Fisioterapia realizar um tratamento com a criança mostrando que se preocupa com ela e com sua família, um tratamento, quando possível, com brincadeiras incluídas e, claro, com carinho e dedicação ao paciente ali presente, tendo em vista que o trauma psicológico afeta o progresso da reabilitação e do tratamento.

O tratamento da Fisioterapia em pacientes queimados terá como objetivos principais o retorno as Atividades de Vida Diária (AVD’s) e uma melhor qualidade de vida global. Para isso a reabilitação do paciente tem como foco: manutenção do Arco de Movimento (ADM), manutenção ou restauração da força muscular, diminuição do risco de infecções, obtenção de deambulação independente, mínima formação de cicatrizes prevenção de contraturas e deformidades, aumento da capacidade aeróbia e restauração da resistência cardiovascular.

Para dar inicio a qualquer tratamento na área de saúde é necessário uma anamnese, uma avaliação de como se encontra o paciente, tendo em vista as áreas queimadas e profundidade das lesões. O fisioterapeuta precisa avaliar também a habilidade do paciente de realizar os movimentos ativos de todos os membros. É comum o ADM estar limitado pelo edema, escara e até dor, mas, é fundamental que seja observado para ter como referência durante todo o tratamento. É dever do Fisioterapeuta obter uma história do paciente com seus familiares, para saber se o paciente já tinha alguma deformidade ou lesão preexistente, alguma limitação, qualquer coisa que possa afetar o potencial do tratamento e consequentemente de sua reabilitação.

As avaliações devem ser frequentes tendo em vista que cada pessoa reage de uma forma diferente ao tratamento e às lesões causadas pelo trauma.  A avaliação inicial determinará quais áreas deverão ser tratadas primeiramente. As prioridades do tratamento inicial serão reduzir os edemas, preservação do Arco de Movimento, movimentação ativa dos membros.

Realizar exercícios respiratórios são importantes a fim de evitar complicações pulmonares, como: pneumonia, edema pulmonar e embolia pulmonar. O posicionamento do paciente também é de grande importância para que no futuro ele não apresente contraturas e deformidades, e seu objetivo no inicio do período de internação é diminuir o edema e manter os tecidos moles alongados.

Os exercícios ativos terão começam no primeiro dia de internação. Ele deve realizar movimentos ativos dos membros e tronco, incluindo as áreas não queimadas. Outro tratamento interessante é a hidroterapia, quando possível, visando uma diminuição de edema, manter a amplitude de movimento e permitir uma sensação de bem estar ao paciente queimado. O Fisioterapeuta aproveita a troca de curativos para iniciar exercícios e ao mesmo tempo observar a ferida. Em casos de enxertos recentes, a movimentação fica liberada por 3 a 5 dias para permitir a aderência do enxerto à pele.

A manutenção do arco de movimento é uma experiência extremamente dolorosa ao paciente, onde muitos não aceitam realiza-la, então cabe ao fisioterapeuta a coordenação dos exercícios com a administração dos remédios para dor, amenizando assim a dor e permitindo um tratamento melhor realizado.

À medida que o paciente vai evoluindo, o plano de tratamento o acompanha, incluindo exercícios que visam o fortalecimento muscular. A partir do momento que se dá o inicio do tratamento com força, é importante monitorar os sinais vitais do paciente para avaliar as respostas cardiovasculares e respiratórias ao tratamento. O Fisioterapeuta deve ser criativo e inovador para desafiar aos pacientes, neste caso crianças, a aumentar sua capacidade para exercícios aeróbicos.

A deambulação deve ser iniciada o mais rápido possível, a não ser em casos de enxertos em membros inferiores. Caso contrário, a deambulação sem dispositivos auxiliares deve ser conseguida o mais cedo possível. Caso o paciente apresente dor ao ser colocado de pé, iniciar de forma gradativa a posição ortostática.

Curativos compressivos ajudam a minimizar o edema e controlar a formação de cicatrizes. Tem-se no mercado vestuários compressivos, que podem ser feitos sob encomenda ou não. Essas peças do vestuário devem ser usadas 23 horas por dia, sendo removidas apenas para a higiene, por durante 12 meses. O uso precoce e continuo da pressão trará como resultado uma cicatriz mais uniforme e maleável e sua proteção. A partir do momento que a cicatriz já esteja pálida e macia, o uso da compressão não se torna mais necessária.

O acompanhamento fora da unidade hospitalar se torna necessário tendo em vista que muitas vezes as cicatrizes podem não acompanhar o processo de crescimento da criança, resultando em possíveis deformidades e limitações, podendo ser necessária a liberação cirúrgica do tecido cicatricial.

CONCLUSÃO

Com a realização deste trabalho e consequente estudo, fica claro que o tratamento multidisciplinar é de fundamental importância para o paciente queimado.

Cada área de atuação se completa, dando ao tratamento um toque mais humanizado e mais responsável. E quanto mais cedo se inicia o tratamento, maiores as chances do paciente não ficar com nenhuma sequela.

A Fisioterapia em si possui inúmeros recursos para melhor atender ao paciente e, realizada de forma correta, por que não dizer possibilitar sua reabilitação completa quando possível dando ao paciente um retorno as suas funções e atividades de vida diárias, através de um processo de tratamento motivador, agradável e prazeroso.

Deve-se ressaltar também a importância dos cuidados para com as crianças que são em sua maioria as vítimas de acidentes domésticos, educando seus pais sobre os fatores de risco neste ambiente.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Santana, Victor Bruno Rodrigues Lopes. Perfil Epidemiológico de crianças vítimas de queimaduras no Município de Niterói – RJ. Revista Brasileira de Queimaduras. 2010, 9 (4): 136-139.

Carneiro, José; Junqueira, L. C. Histologia Básica 11 edição. Editora Guanabra Koogan, 2008.

Harrison, T. R. Medicina Interna, Volume I, 15 edição. Editora Mc Graw Hill, 2002.

Azulay, R.D. Dermatologia. 4a edição. Rio de Janeiro. Editora Guanabara Koogan, 2006.

Guirro, Elaine; Guirro, Rinaldo. Fisioterapia Dermato-funcional, Capítulo19, Queimaduras, 3a edição. Editora Manole, 2004.

Maciel, E.; Serra, M.C. Tratado de queimaduras. São Paulo. Editora Atheneu, 2004.

Antoon, A.Y; Donovan, M.K. Tratado de Pediatria. 17a edição. Rio de Janeiro. Editora Elsevier.

O´Sullivan, Susan. Fisioterapia Avaliação e Tratamento, capítulo 26, Queimaduras, 4a edição. Editora Manole, 2004.

O´Sullivan, Susan. Fisioterapia, capítulo 25, Queimaduras, 2a edição. Editora Manole, 1993.



Conteúdo Relacionado

Sem comentários

Adicione seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Olá! Seja bem-vindo(a). Se tiver alguma dúvida, me procure. Estou a disposição para te ajudar.
Powered by