Digite sua palavra-chave

post

Sarcopenia No Idoso: Uma Revisão Bibliográfica

Sarcopenia No Idoso: Uma Revisão Bibliográfica

Introdução

Sarcopenia foi um termo aplicado por Irwin Rosenberg para definir a perda de massa muscular que ocorre com o avançar da idade. A perda de massa muscular foi observada pela primeira vez pelo famoso neurologista inglês, MacDonald Critchley, que destacou que essa perda foi mais acentuada nas mãos e pés.

Hoje, a sarcopenia é considerada uma perda da massa muscular em uma pessoa idosa, e contribui para a incapacidade, diminuição da autonomia, risco aumentado de quedas e aumento de risco de morbidade e mortalidade.

A sarcopenia é muito comum, uma prevalência de 5% em pessoas com 65 anos e uma prevalência muito alta como 1 em cada duas pessoas com idade superior a 80 anos.  A prevalência também varia de acordo com a localização e definição, no entanto estima-se que seja de até 29% dos idosos no cenário de cuidados de saúde comunitários e entre 14-33% para aqueles em cuidados de longa duração.

As alterações fisiológicas e morfológicas no músculo esquelético com o avançar da idade são caracterizadas por declínio geral no tamanho e número de fibras musculares esqueléticas, principalmente as fibras musculares do tipo 2 ou de contração rápida.

Sua causa é considerada como multifatorial, com declínio neurológico, alterações hormonais, declínio na atividade, doença crônica, má nutrição, todos mostrados como fatores contribuintes. No geral, a causa mais proeminente da sarcopenia é a inatividade e má nutrição.

Existem várias diretrizes diagnósticas relativas à sarcopenia. Os principais são os europeus, Grupo de Trabalho sobre Sarcopenia em pessoas idosas (EWGSOP), o grupo de trabalho internacional sobre sarcopenia (IWGS), o Grupo de Trabalho Asiático para Sarcopenia (AWGS) e a Fundação Americana para os Institutos Nacionais de Saúde (FNIH). Essas diretrizes sugerem cortes semelhantes pra músculos, massa muscular e desempenho físico
para avaliar e diagnosticar a sarcopenia.

Porém, independente de como a sarcopenia é diagnosticada, a baixa muscular e baixa força muscular são importantes fatores de risco para incapacidade e mortalidade. Nesse sentido a prevenção deve ser um dos principais objetivos dos profissionais de saúde.

Vários estudos indicam que a função muscular em idosos sarcopênicos pode sem equilibrada e até mesmo potencializado pelo exercício físico, especificamente o treino resistido e o consumo de proteínas em quantidades superiores ao recomendado melhorando a força e a massa muscular entre os idosos.

No entanto, fornecer exercícios para idosos mais frágeis é especialmente desafiador devido a comorbidades subjacentes que restringem a disponibilidade de energia para o exercício e um regime alimentar restrito de baixa qualidade.

O presente estudo se propôs a realizar uma narrativa sobre a sarcopenianum modo geral, pois é uma condição que afeta uma grande parte da população idosa e que pode levar a consequências graves como a morte.

Metodologia

Como processo metodológico foi utilizado revisão literária onde as buscas foram realizadas nos meses de abril e maio de 2022 de artigos e publicações em inglês, português e espanhol, disponíveis nas bases de dados Lilacs, Pubmed, e Scielo, onde foram utilizados os descritores: “idoso”, “sarcopenia”. No Lilacs foram encontrados 190 resultados, no Pubmed foram encontrados 8.943 resultados e no Scielo foram encontrados 46 resultados. Foram selecionadas 15 amostras no período de 2009 até 2021 no qual os mesmos foram escolhidos mediante a leitura de cada um na íntegra.

Discussão

Um estudo do FNIH com mais de 4.900 pacientes com 60 anos descobriu q a idade média dos pacientes sarcopênicos era 70,5 anos entre os homens e 71,6 anos entre s mulheres. A sarcopenia pode ser mais comum em indivíduos de países não asiáticos do que em indivíduos asiáticos. Alguns dos principais fatores desta variabilidade são o tamanho do corpo, origem cultural, características étnicas, dieta e qualidade de vida. Além disso, os pontos de corte para as populações asiáticas são menores do que para os não asiáticos em ambos os gêneros.

Em 2018, o grupo de trabalho (EWGSOP) atualizou sua definição inicial de sarcopenia para levar em conta as evidências científicas e clínicas que surgiram durante os últimos 10 anos. ¹ O novo consenso concentra-se na baixa força muscular como uma característica chave da sarcopenia. Os pontos de corte são: Força de preensão palmar <27 kg para homens e <16 kg para mulheres e >15 s para elevação de cadeira para ambos os sexos. Utiliza a detecção de baixa quantidade muscular e para confirmar o diagnóstico de sarcopenia (pontos de corte) são: massa muscular esquelética apendicular <20 kg para homens e <15kg para mulheres. ¹ um indicativo no desempenho físico que pode identificar uma sarcopenia grave é (ponto de corte): velocidade de marcha < 0,8 m/s.

Os métodos mais precisos para avaliar a massa muscular em ambientes clínicos são bioelétricos. Análise de biopedância (BIA), absorciometria de raios X de dupla energia (DXA) que é considerado padrão ouro por sua precisão, ampla disponibilidade e também por ser a única ferramenta radiológica com valores de corte aceitos para diagnosticar sarcopenia.

Em ambientes de pesquisa, o EWGSOP aconselha o uso de ressonância magnética (RM) e tomografia computadorizada, bem como o DXA. Devido à variedade de técnicas de avaliação, pontos de corte e critérios de sarcopenia, o mesmo pode ser difícil de entender.

Podemos realizar também a circuferência muscular de panturrilha (CP). É considerado atualmente o melhor indicador clínico da sarcopenia, sua medida não pode ser inferior a 31 cm.

Além disso, as variações significativas na prevalência de sarcopenia em relação a população estudada (morada comunitária, hospitalização e lares de idosos) tornam muito mais difícil desenvolver rotinas preventivas e protocolos terapêuticos e envolvem uma abordagem mais centrada e focada na pessoa.

As causas são geralmente divididas entre declínios nas atividades e declínios na ingestão nutricional. Os idosos são menos ativos, em parte devido ao aumento da carga de doença que leva à dor e fadiga. Além disso, diminui a quantidade adequada de proteínas, bem como a supernutrição que resulta em obesidade sarcopênica e perda de massa magra e função muscular.

Atualmente o tratamento consiste principalmente em exercício de resistência e um suplemento de proteína.

O exercício físico periódico, principalmente aquele relacionado à resistência muscular, tem demonstrado melhora na massa e força muscular, estabilidade e equilíbrio, densidade mineral óssea, além de reduzir os diversos marcadores de inflamação crônica e, por fim, a mortalidade
geral.

O treinamento resistido, também conhecido como peso ou treinamento de força pode ser usado para neutralizar a perda muscular relacionada à idade, aumentando o número e o corte transversal de fibras musculares esqueléticas.

Já a composição dietética e a ingestão alimentar são temas quentes na população idosa. O consumo oral diminui nos idosos devido a fatores sociais, psicológicos e fisiológicos. Isso leva, portanto, a uma redução no consumo de nutrientes que são componentes vitais de uma dieta saudável.

Assim o declínio da ingestão alimentar com o envelhecimento desempenha um papel no desenvolvimento da sarcopenia. Em particular, a manutenção da massa muscular requer a ingestão de proteínas. Postula-se que para manter uma boa massa muscular, os idosos necessitam de pelo menos 1,2 g/kg de proteína por dia.

Embora avanços substâncias tenham sido feitos no entendimento da multifatoriedade das causas da sarcopenia, a maioria das intervenções se concentrou em melhorar o ambiente e causas da sarcopenia, nomeadamente através do aumento da atividade e da alimentação adequada.

Conclusão

A sarcopenia continua sendo um importante problema clínico que afeta milhões de idosos em ambos os sexos e etnias. As intervenções para a sarcopenia continuam a ser desenvolvidas com maior ênfase em exercícios e intervenções nutricionais com suplementação de proteína, mas espera-se que os ensaios terapêuticos e o desenvolvimento de intervenções ganhem impulso. Portanto o objetivo maior sempre será a identificação precoce dos fatores de risco para a sarcopenia nos idosos, a fim de mudar o perfil negativo e evitar deteriorização, incapacidade e mortalidade acelerada.

Referências Bibliográficas

Sarcopenia: A Contemporary Health Problem among Older Adult Populations. Sousana K. Papadopoulou, Department of Nutritional Sciences and Dietetics, School of Health Sciences, International Hellenic University, 57001 Thessaloniki, Greece. Received: 2 March 2020; Accepted: 26 April 2020; Published: 1 May 2020.

Sarcopenia.NR Fuggle, BSc Mbbs PgCert Hbe Mrcp, Sc Shaw, BSc, Em Dennison, Mb BChir Ma Frcp MSc PhD, and C Cooper, Obe Ma Dm Frcp Ffph FMedSci MRC Lifecourse Epidemiology Unit, Tremona Road, Southampton. Published in final edited form as:BestPract Res Clin Rheumatol. 2017 April; 31(2): 218–242. doi:10.1016/j.berh.2017.11.007.

Sarcopenia in the elderly. John E Morley*.Geriatric Research, Education and Clinical Center (GRECC), Veterans Affairs Medical Center and Department of Internal Medicine, Division of Geriatric Medicine, Saint Louis University School of Medicine, St Louis, MO, USA. *Correspondence to John E Morley, Division of Geriatric Medicine, Saint Louis University School of Medicine, 1402 South Grand Boulevard, M238, St Louis, MO 63104, USA; Received 19 April 2011;Revised 22 July 2011; Accepted 29 July 2011.

Prevalence of and interventions for sarcopenia in ageing adults: a systematic review. Report of the International Sarcopenia Initiative (EWGSOP and IWGS). Alfonso J. Cruz-Jentoft, Francesco Landi, Stéphane M. Schneider, Clemente Zúniga, Hidenori Arai, Yves Boirie, Liang-Kung Chen, Roger A. Fielding, Finbarr C. Martin, Jeanpierre Michel, Cornel Sieber, Jeffrey R. Stout, Stephanie A. Studenski, Bruno Vellas, Jeanwoo, Mauro Zamboni, Tommy Cederholm; Age and Ageing 2014; 43:748–759 doi:10.1093/ageing/ afu115; Published electronically 21 September 2014.

Sarcopenia in older adults. Jeremy D. Walston. Division of Geriatric Medicine and Gerontology, Johns Hopkins University School of Medicine, Baltimore, Maryland, USA; Published in final edited form as: CurrOpinRheumatol. 2012 November;24(6): 623–627. doi:10.1097/BOR.0b013e328358d59b.

Sarcopenia: An Undiagnosed Condition in Older Adults. Current Consensus Definition: Prevalence, Etiology, and Consequences. International Working Group on Sarcopenia. International Sarcopenia Consensus Conference Working Group Meeting*, Rome, Italy, November 18, 2009; Published in final edited form as: J Am Med Dir Assoc. 2011 May; 12(4): 249–256. doi:10.1016/j.jamda.2011.01.003.

Prevalência de sarcopenia em idosos: resultados de estudos transversais amplos em diferentes países. Juliano Bergamaschine MataDiz, Bárbara Zille de Queiroz, Leonardo Barbosa Tavares, Leani Souza Máximo Pereira; http://dx.doi.org/10.1590/1809 9823.2015.14139.

Fragilidad y Sarcopenia en Adultos Mayores. Dr. Eduardo Penny Montenegro, M.A.C.P, A.G.S.F.Especialistaen Medicina Interna y GeriatríaUniversidad Peruana Cayetano Heredia; Revista Medicina Interna,Volumen 19, Suplemento No. 01-2015.

Measuring sarcopenia severity in older adults and the value of effective interventions. J.P. Macewan, T.M. Gill, K. Johnson, J. Doctor, J. Sullivan, J. Shim, D.P. Goldman; J Nutr Health Aging. 2018;22(10):1253-1258.

Frailty and sarcopenia: The new geriatric giants. John e Morley*, Divisions of Geriatric Medicine and Endocrinology, Saint Louis University School of Medicine, St. Louis, Mo, USA; Rev Inves Clin, 2016;68:59-67.

Sarcopenia: etiology, clinical consequences, intervention, and assessment. T. Lang & T. Streeper & P. Cawthon & K. Baldwin & D. R. Taaffe & T. B. Harris; Received: 25 April 2009 / Accepted: 18 August 2009 / Published online: 25 September 2009; Osteoporos Int (2010) 21:543–559 DOI 10.1007/s00198-009-1059-y

Musculoskeletal Aging and Sarcopenia in the Elderly. Emanuele Marzetti; Int. J. Mol. Sci. 2022, 23, 2808.

Prevalence of sarcopenia and related factors in community-dwelling elderly individuals. Hatice Simsek, MD, PhD, Reci Meseri, MPH, PhD, Sevnaz Sahin, MD, Asli Kilavuz, MD, PhD, Derya H. Bicakli, MSc, PhD, Mehmet Uyar, MD, Sumru Savas, MD, Fulden Sarac, MD, Fehmi Akcicek, MD; Saudi Med J 2019; Vol. 40 (6).

Sarcopenia and functional disability in aged. Karla Berenice Carrazco-Peña*, Carlos Enrique Tene and José del Río Valdivia Faculty of Medicine, Universidad de Colima, Mexico; Gac Med Mex. 2016;152:400-6

Mortality, sarcopenic obesity, and sarcopenia: Frailty in Brazilian Older People Study – Fibra – RJ. Glaucia Cristina de Campos, Roberto Alves Lourenço, Maria del Carmen Bisi Molina; RevSaude Publica. 2021;55:75.

ARTIGO PUBLICADO EM: 02/11/2023



Conteúdo Relacionado

Sem comentários

Adicione seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Abrir bate-papo
Olá! Seja bem-vindo(a). Se tiver alguma dúvida, me procure. Estou a disposição para te ajudar.