Digite sua palavra-chave

post

Método Canguru: Uma Revisão Bibliográfica

Método Canguru: Uma Revisão Bibliográfica

INTRODUÇÃO

O cuidado neonatal está relacionada com o respeito e a qualidade de garantia que promova a segurança do recém-nascido e o acolhimento tanto do recém-nascido quanto da sua família buscando assim facilitar o vínculo mãe-bebê previamente. Desde que o recém-nascido permaneça internado em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, ele estará exposto a estímulos nociceptivos como estresse, dor, conversas de funcionários, ruídos de equipamentos,procedimentos invasivos dolorosos e manuseio excessivo.

Os desenvolvimentos nos cuidados intensivos perinatal e neonatal reduzem significativamente a taxa de mortalidade para crianças e recém-nascidos prematuros de alto risco. Um dos grandes obstáculos para os profissionais de saúde que cuidam dessas crianças e de suas famílias, é não só garantir a sobrevivência dos bebês, mas também aprimorar o seu curso de evolução e desenvolvimento.1

Ministério da saúde (2011) afirma que nascem 20 milhões de RN anualmenteno mundo. Os números elevados de recém- nascido inferior a 2.500g, sem considerar a idade gestacional é um importante problema da saúde. O percentual representa rbimortalidade neonatal e consequências graves na medicina no Brasil 10% dos bebês nascem antes do tempo. O avanço da medicina tem permitido que a grande maioria consiga se  esenvolver e crescer com saúde. São considerados prematuros (ou pré-termos), os bebês que vem ao mundo antes de completar 37 semanas de gestação.3

A prematuridade pode ser classificada em: pré-termo limítrofe (PTL, 35 a 36 semanas de idade gestacional), pré-termo moderado (PTM, 31 a 34 semanas de idade gestacional) e pré-termo extremo (PTE, idade gestacional ≤ 30 semanas). RN  considerado baixo peso (BP) ao nascer podem ser classificados em muito BP (MBP, menos do que 1.500 g) e extremo BP (EBP, menos do que 1.000 g). O baixo peso é uma das principais causas de mortalidade infantil.4

Conforme Santos, cerca de 13 milhões de partos prematuros ocorrem em média de aproximadamente 9% por ano em todo o mundo. Nas regiões mais desenvolvidas, a incidência varia entre 5-12%, e é mais elevada em países menos desenvolvidos (40%). A incidência tem aumentado nos países ocidentais, com o acréscimo dos tratamentos de fertilidade e o aumento da idade das grávidas. (Wallin l, Eriksson M, 2009).

A maioria dos RNs de alto risco pode apresentar deficiências fisiológicas como: a incapacidade de sugar, engolir e respirar de maneira coordenada, que correspondem às habilidades alcançadas durante a 34ª a 36ª semanas de idade gestacional. Também  podem apresentar refluxo gastroesofágico aumentando o risco de aspiração de alimentos e a incapacidade de manter a temperatura corporal. Tais complicações podem gerar várias dificuldades para adaptação à vida extrauterina devido à imaturidade dos diversos sistemas orgânicos (CLOHERTY; SONDHEIMER, 1993; apud MILTERSTEINER, 2003).

Os recém-nascidos de baixo peso contribuem significativamente com a mortalidade infantil e neonatal, representando mais de 50% dos óbitos de crianças menores de um ano ( ARIAS et.al.,2003 apud FERRARI et.al., 2006). A melhoria do peso ao nascer poderia levar a uma redução de 8% na mortalidade infantil no país, mas a eficácia das intervenções disponíveis é muito baixa(FERRARI et.al., 2006)

Baseado nesta evidência o Ministério da saúde preocupado com a humanização da assistência à saúde humanizada, lançou por meio da Portaria n 693 de 05/07/2000, a norma de atenção humanizada do recém-nascido de baixo peso ( método canguru) que possui como fundamentos básicos: “o acolhimento ao bebê e sua família, respeito às singularidades, promoção do contato pele a pele (posição canguru) e o envolvimento da mãe nos cuidados com o filho”(BRASIL, 2002). O método canguru foi desenvolvido em meados 1979 por Rey & Martinez na cidade de Bogotá, para melhorar os cuidados prestados ao recém-nascido pré-termo (RNP) com o objetivo de reduzir o tempo de permanência hospitalar (MINISTÉRIO DA SAÚDE,2011).Em decorrência da falta de infra estrutura para o atendimento dos neonatos pré-termo.

Estes eram acondicionados em pares nas incubadoras, situação que elevavam os índices de mortalidade e morbidade. Os autores observaram o manejo dos marsupiais, que após o nascimento prematuros de suas crias mantinham estas em sua bolsa até atingir a maturidade fisiológica compatível com a vida (FILHO, 2008).

Para Filho,2008 Os bebês submetidos ao método mãe canguru, diminuem seu tempo de internação, mantêm oxigenação adequada, têm a estabilização da temperatura corporal favorecida, proporcionam sono mais calmo e prolongado e as mães se sentem seguras para manterem contato e monitorar a saúde de seus bebês.

 OBJETIVO

Este trabalho tem como objetivo, proceder a uma revisão da literatura sobre o Método Canguru, avaliar os resultados positivos que o método traz como consequência da sua utilização.5

MÉTODOS

Foi realizada uma busca sistemática da literatura através de artigos publicados (Google Acadêmico e Scielo ),utilizando as palavras chave: Método Canguru, estimulação sensorial, estimulação motora, posicionamento, recém-nascido. Foram utilizados para o presente estudo somente artigos em Português. Os critérios de inclusão foram artigos de revisão, artigos originais com recém-nascidos sobre cuidados intensivos e que foi utilizado o

Método Canguru e suas etapas; benefícios do Método Canguru; a família em frente ao Método Canguru; humanização ,Contra indicação ao método canguru. Foram observadosnesses artigos as formas e os tipos de estimulação utilizados dentro da UTI neonatal.

RESULTADO E DISCUSSÃO

O Método Canguru tem sido proposto como uma alternativa ao cuidado neonatalconvencional para RNPT ou de baixo peso ao nascer. Foi implantado de forma pioneira por Edgar Rey Sanabria e Hector Martinez em 1979, no Instituto Materno Infantil de Bogotá,Colômbia. O Método adotou o nome dessa espécie de marsupiais porque as crias nascem antes de completar ou levar ao fim sua gestação, tendo assim uma gestação extrauterina (CATTANEO et al, 1998; CHARPAK et al, 2000; FURLAN; FURTADO; SCOCHI, 2003).

No Brasil, a implantação do Método Canguru ocorreu no início da década de 90.As primeiras instituições que aplicaram essa nova tecnologia foram o Hospital Guilherme Álvaro,em Santos (SP) em 1992 e o Instituto Materno Infantil de Pernambuco em Recife (1994). Em 2000, ao lançar o Programa de Humanização do Pré-Natal e Nascimento, o Ministério da Saúde instituiu normas para a implantação do método pela Portaria nº 693, de 5 de julho de 2000 (BRASIL, 2000). A partir disso outros hospitais adotou o método como rotina hospitalar, sendo mais de 160 programas em andamento no país (CARVALHO, 2003).6

Figura 1 RN em posição Canguru

Fonte:http://www.radiouirapuru.com.br/saude/36367/metodo+canguru+e+fundamental+no+cuidad o+dos+prematuros

O Método Canguru tem como um dos objetivos o estímulo ao aleitamento materno, do qual se fortalecem os vínculos afetivos mãe e filho, promovendo o ganho de peso. Segundo Colameo; Rea, 2006 amamentar precocemente um bebê prematuro promove a redução de perda de peso, aumenta o nível de glicose no sangue e diminui a bilirrubina não conjugada,contribuindo para o desenvolvimento intelectual e neurológico. É um tipo de assistência neonatal voltada para o atendimento do recém-nascido prematuro que implica colocar o bebê em contato pele a pele com sua mãe (oms, 2004) Ministério da Saúde (2011) considera os seguintes termos no método Mãe Canguru: O MC é um tipo de assistência neonatal que consiste contato pele a pele precoce entre mãe e recém-nascido de baixo peso, de forma crescente e pelo tempo que ambos entenderem ser prazeroso e suficiente, permitindo, dessa forma, uma inserção dos pais no cuidados ao filho.O Ministério da Saúde descreve também os benefícios do método canguru que são: Menor tempo de internação do bebê, Oxigenação adequada, Aumento da temperatura do corpo e estabilidade, Menos episódios de apneia – paradas respiratórias durante o sono, Diminuição do choro, Aumento do aleitamento materno, Aumento do vínculo pai-mãe-bebêfamília, Diminuição do tempo de separação pai-mãe-bebê-família,melhor relacionamento família/equipe, Estimulação sensorial positiva, Diminuição de infecção hospitalar, Controle e alívio da dor, Acolhimento ao bebê e sua família, Respeito às individualidades, Promoção do contato pele a pele precoce.

Figura 2 Método Canguru com o Pai

 

Fonte:http://www.big1news.com.br/metodo-canguru-beneficios-ao-recem-nascido.html

Ministério da Saúde (2002) descreve que o método canguru se divide em três etapas:

1º etapa: Essa etapa requer maiores cuidados. O bebe é internado na UTI-NEO e os familiares são orientados sobre todos os procedimentos, cuidados em condições a saúde do RN, com a finalidade de que eles compreendam tudo que os pais tenham contato pele a pele sempre que for possível para estimular um vínculo entre eles, sendo esse contato lento, progressivo e orientado.

2º etapa: Nessa etapa a mãe é orientada a identificar as possíveis complicações que pode ocorrer com o paciente como mudança da coloração da pele e parada respiratória. O RN deve apresentar ganho de peso e estabilidade. Se a mãe, família e equipe hospitalar estiverem de acordo, a posição canguru já é possível pelo tempo que for prazerosa para ambos.

3º etapa: Essa etapa só será possível se a mãe e familiares estiver comprometidos a dar continuidade do método canguru. A criança recebera alta se atingir 1.500g e conseguir ter boa sucção. O ministério da saúde recomenda que o RN continue sendo acompanhado ambulatoriamente para orientações e verificação do seu desenvolvimento.

Figura 3 Cartilha Método Canguru

Fonte: http://redehumanizasus.net/88827-metodo-canguru-manual-tecnico/

Quando as crianças evoluem bem, estão em boa interação com a mãe, se mostra segura no cuidado de seu bebê, o tratamento pode continuar em casa. Pela participação constante da mãe em todos os procedimentos, pode-se considerar que não só os bebês, mas a mãe-bebê do Método Canguru evoluem melhor que na UTI, passando menos tempo internados. Muitas vezes, a mãe do recém-nascido prematuro apresenta sentimentos de culpa, medo de perda do filho e tristeza devido a sua fragilidade. Isso acontece porque ela procura conhecer as necessidades do bebê para satisfaze-las, mas quando a criança está na UTI é impossível para ela reconhecer essa necessidade, então sente-se impotente, dispensável, uma mãe que nem pode alimentar seu filho. Isso justifica muitos dos abandonos que ocorrem nas UTIs. 9

 CONCLUSÃO

 Considerando o impacto da doença no âmbito físico, social e financeiro dentro e fora do hospital, novas estratégias devem ser desenvolvidas para prevenir e reduzir a severidade da fraqueza muscular e dos déficits residuais.A intervenção precoce por meio de estimulação motora e sensorial, posicionamento terapêutico e cuidado mãe-canguru deve ser incentivada e praticada em UTI neonatais. O Método Canguru é uma das ações humanizadas onde o recém-nascido é retirado da incubadora e mantido em contato pele-a-pele precoce e de forma crescente, sustentado por uma faixa ou manta amarrada ao redor do tórax da mãe, do pai ou dos avós.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  1. Barradas, j. Et al . A relação entre posicionamento do prematuro no método mãecanguru e desenvolvimento neuropsicomotor precoce. J. Pediatra. (rio j.), portoalegre, v. 82, n. 6, p. 475-480, dec. 2006.
  1. MINISTERIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção Humanizada ao Recém- Nascido de Baixo Peso- Método Canguru- Manual técnico- 2° edição Brasília– DF 2011.
  1. BRASIL. Ministério da Saúde. Método Canguru. http://portalms.saude.gov.br/saudepara-voce/saude-da-crianca/pre-natal-e-parto/metodo-canguru Acessado emBrasilia 29de maio de 2018
  1. Formiga, c.k. Eficácia de um programa de intervenção precoce com bebês pré-termo.Paidéia. São Carlos. 2004. P. 301-311.
  1. Santos Et al. Nidcap: uma filosofia de cuidados. Nascer crescer 2011;20(1):26-31.
  2. L Wallin and M Eriksson. Newborn Individual Development Care and AssessmentProgram (NIDCAP): a systematic review of the literature. Journalpublisher. 2009.
  1. CLOHERTY; SONDHEIMER, 1993; apud MILTERSTEINER, 2003
  2. FERRARI, L.S.F; BRITO, A.S.J;CARVALHO, A.B.R; GONZALES,M.R.C:mortalidade neonatal no município de Londrina, Paraná, Brasil,nos anos 1994 e 2002. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2006,v.22, n.5; 1063-1071
  1. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área de Saúde daCriança:Atenção Humanizada ao recém nascido de baixo peso:método mãe canguru,1ºed, Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
  1. FILHO, F.L; SILVA, A.A.M; LAMY, C.Z. etal.:Avaliação dos resultados neonataisdo método canguru no Brasil. Jornal de Pediatria. 2008; v.84n.15 428-435.
  1. CATTANEO, A.; DAVANZO, R.; WORKU B.; SUJORNO A.; et al. Kangaroomother care forlow birthweight infants: a randomized controlled trial in differentsettings. Acta Pediatric v.87,p.976-85, 1998.
  1. BRASIL-PORTARIA Nº 693, de 5 de julho de 2000 do Ministério da Saúde. Normade orientação para a implantação do Método Mãe Canguru. Diário Oficial da União, n.129-E, seção1, 6 jul.2000.
  1. CARVALHO, Maria Luiza Mello de. Participação dos pais no nascimento emmaternidade pública: dificuldades institucionais e motivações dos casais. Cad. SaúdePública. Rio de Janeiro, v. 19, 2003. Disponívelem:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2003000800020&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 30 Maio 2018.doi:10.1590/S0102311X2003000800020.
  1. White-Traut RC, Nelson MN, Silvestri JM, Patel M, Berbaum M, Gu GG, et al.Developmental patterns of physiological response to a multisensory intervention inextremely premature and high-risk infants. J ObstetGynecol Neonatal Nurs. 2004 Mar-Apr;33(2):266-75.
  1. MINISTERIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção Humanizada aoRecém- Nascido de Baixo Peso- Método Canguru- Manual técnico- 2° edição Brasília– DF 2011.12
  1. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual do Método Mãe Canguru. Brasília: Ministério daSaúde, 2002.
  1. COLAMEO, AJ; REA, M.F.: O método mãe canguru em hospitais públicos do estadode São Paulo, Brasil: uma análise do processo de implantação.Cadernos de SaúdePública, Rio de Janeiro, 2006: v.22, n.3; 597-607.
  1. Sá FE. Sentimentos e emoções maternas na vivência do método canguru.[Dissertação]. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará. 2004.
  1. Cunha I. A neurociência e o vínculo mãe-bebê. Informativo método mãe-canguru2001 out-dez; (2).


Conteúdo Relacionado

Um comentário

  1. Avatar
    emília Alves
    added on 4 jan, 2019
    Responder

    Muito importante a postagem trazendo essa revisão bibliográfica sobre o Método Cangurú, uma importante técnica de cuidado, que além de favorecer o desenvolvimento/crescimento dos bebês recém-nascidos, fortalece o vínculo afetivo entre a criança e a mãe/pai.

    Emília

Adicione seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Olá! Seja bem-vindo(a). Se tiver alguma dúvida, me procure. Estou a disposição para te ajudar.
Powered by