Digite sua palavra-chave

post

Iontoforese : retornando nas condutas Fisioterápicas

Iontoforese : retornando nas condutas Fisioterápicas

INTRODUÇÃO

Entre as facilidades encontradas nas terapias convencionais a iontoforese tem sido usada como modalidade de controle da dor e inflamação por muitos anos. Entretanto, a técnica de Iontoforese vem sendo proposta pelo uso ou aplicação de um patch (adesivo) de iontoforese. O patch em uso é o iontopatch®, sistema eletro-transdérmico de infusão de medicamentos. Ele usa uma fina bateria integrada ao patch. Esta manda 80 mA-min durante um período de 24 horas. O patch de iontoforese usa uma larga dosagem durante um longo período de tempo (corrente de baixa amplitude) permitindo que o paciente deixe a clinica imediatamente após a aplicação. O patch se adapta a diversas regiões anatômicas do corpo como as regiões trocanterianas, e recentemente tem sido fabricados patches menores, específicos para áreas como tendão de calcâneo ou dedos. Nossa experiência clínica tem sido extremamente promissora e estudos científicos estão em desenvolvimento. Como explicado anteriormente, os patches de iontoforese oferecem várias vantagens para profissionais da saúde e pacientes. Os pacientes vêem como maior vantagem à utilização dos patches sem prejudicar as atividades de vida diária. Subjetivamente, os pacientes preferem os patches às unidades convencionais de iontoforese. Também, o tempo envolvido na preparação e uso dos aparelhos deve ser considerado. Em uma clínica cheia como a nossa, pode ser impraticável para um paciente esperar 20 ou 25 minutos por um tratamento com iontoforese convencional. Adicionado a esse tempo existe a preparação da pele e programação do aparelho e eletrodos que facilmente aumentará o tempo para 30 minutos o que limitará uma paciente em que a terapia é programada para 45 a 60 minutos. Em terapias mais curtas, em que a corrente é aumentada para amplitudes maiores, acredita-se que a eficiência da oferta do fármaco seja prejudicada¹. Entretanto, está afirmação nunca foi formalmente embasada por pesquisas. Geralmente, guias práticos recomendam um tempo de tratamento relativamente longo para melhores resultados. O patch prolonga o tratamento para 24 horas versus 20 minutos de sessão clínica com a unidade de iontoforese convencional.

Iontoforese envolve o uso de uma corrente continua para ofertar drogas ionizadas para tecidos superficiais. É uma modalidade muito utilizada, mas os testes com modelos humanos ainda são limitados. Seu uso é muito freqüente devido a resposta satisfatória dos pacientes quanto a sua eficácia.

Iontoforese é largamente aceita para tratamento de dor aguda e subcutânea, inflamação e edema. Nos esperamos aumentar os fóruns para discussão de conceitos sobre correntes e pesquisas envolvendo a iontoforese e suas utilizações clínicas.

PRINCIPIOS BÁSICOS DA IONTOFORESE

Primeiramente descrita por volta de 1900,¹² iontoforese tem sido usada ativamente na prática clínica por muitos anos. Muitas das pesquisas clínicas foram completadas nos últimos 20 anos. Entretanto, devido à dificuldade dos testes desta modalidade em humanos, os dados indicam que a profundidade de penetração e a concentração do fármaco são mínimos. Hoje diversos artigos contradizem essa afirmação (N.T.).

A iontoforese tem vantagem sobre drogas com partículas carregadas, ou íons, quando numa solução. Como exemplo a dexametazona, um antiinflamatório muito utilizado, que é carregado negativamente e deve ser administrado no catodo (-) fixado à pele. Lidocaína, um anestésico local, é carregada positivamente e deve ser administrada sempre no anodo (+). Algumas drogas utilizáveis são comumente utilizadas em medicina desportiva: ácido acético, dexametazona e lidocaína. A profundidade de penetração e a concentração da droga nos tecidos são alterados por situações como peso molecular do íons, tipo de droga, pH e espessura da pele e intensidade da corrente – porém, essas variáveis não são muito entendidas no momento.

O montante de droga que é teoricamente administrada é dependente de duas variáveis. Primeiro, a amplitude da corrente contínua aplicada. Esta é medida em miliamperes (mA). A segunda variável é a duração do tratamento, mensurada em minutos. Os dois são comumente multiplicados para produto da dosagem, que é dada em unidade de miliamperes minutos (mA-min). Então, o produto dessas duas variáveis podem ser manipuladas para diferentes dosagens. Na prática, elas são manipuladas para ofertar uma dosagem típica entre 40 e 60 mA-min. Por exemplo, uma dosagem de 40 mA-min pode ser dada em 1 mA de amplitude por 40 minutos, 2 mA por 20 minutos e 4 mA por 10 minutos.

Quando se decide usar a iontoforese contra qualquer outra modalidade como massagem com gelo ou fonoforese, pontos importantes devem ser considerados. Lembremos que a profundidade de penetração não é muito bem entendida mas geralmente aceita como de aproximadamente 2 cm. O tendão do rotador do ombro em um atleta com o deltóide muito desenvolvido pode ser muito profundo para ser atingido pela iontoforese. Uma pessoa mais magra deve ser melhor atingida pela iontoforese devido a menor quantidade de músculos e tecido subcutâneo melhorando a penetração da droga na estrutura alvo.

Indicações para o uso da iontoforese incluem:

1. Tendinites: epicondilites, tendinite patelar, tendinite do bíceps, tendinite do manguito, tendinite do calcâneo.

2. Depósitos de cálcio: ossificação heterotópica, miosite ossificante.

3. Bursites: pré-patelar, sub-acromial, da fossa poplítea.

4. Lesão muscular em tecidos superficiais.

5. Luxação da articulação acrômio-clavicular e dos dedos.

6. Lesões desportivas.

7. Dor.

Contra-indicações absolutas e relativas do uso da iontoforese incluem:

1. Lesões cutâneas.

2. Perda de sensibilidade.

3. Sensibilidade ao fármaco.

4. Erupções produzidas pelo tratamento

5. Aplicação sobre marca-passos.

6. Tecidos muito profundos ou áreas largas de dor ou inflamação.

7. P. O. agudo.

O fosfato de dexametazona é um agente antiinflamatório do grupo dos glicocorticóides4 usados, algumas vezes, em combinação com outras drogas. É um íon negativo e deve ser administrado no catodo. Parâmetros de tratamentos sugerem que a aplicação clínica com a unidade de iontoforese incluam 5-10 dias de tratamentos a 46-60 mA-min.1 Na nossa clínica é a droga mais comumente administrada com iontoforese. Nós usamos rotineiramente em condições como epicondilite lateral, encurtamento muscular, tendinite calcânea, e acesso interno ao manguito rotador.

Acredita-se que o ácido acético aumenta a solubilidade dos depósitos calcâneos em tecidos moles como músculos e tendões. Ele é um íon negativo e deve ser administrado no pólo negativo. É usado no combate de ossificações heterotópicas. Como exemplo, sua ação pode ser resumida pela reação química do carbonato de cálcio interagindo com o ácido acético para formar acetato de cálcio:

CaCO3 + 2H(C2H3O2) = Ca (C2H3O2) + H2O + CO2

Lidocaína é um anestésico local usado para bloquear a passagem dos potenciais de ação ao longo do axônio dos nervos periféricos pela inativação dos canais de sódio.16 a lidocaína é carregada positivamente e é ofertada no anodo. Seus efeitos são temporários e é geralmente usado como terapia complementar às massagens profundas ou área dolorida.

CONCLUSÃO

Iontoforese tem se mostrado efetiva e largamente utilizável para o controle da dor, inflamação e formação óssea heterotópica em tecidos não mais profundos que 2 cm. Apesar de ser largamente utilizada e aceita como prática clínica, sua aplicação pode ser inconveniente, consumindo tempo e limitando o paciente na unidade tradicional de iontoforese. A recente introdução dos patches para os profissionais da saúde ajuda a obter aumento de tempo na terapia e provavelmente melhoram a administração do fármaco. Futuros estudos estão sendo iniciados e serão reportados por nossa clínica. Nos acreditamos que o objetivo é o aumento da eficácia e freqüência na utilização da iontoforese. No mais, pacientes parecem preferir o uso dos patches previamente, o que parece aumentar a adesão ao tratamento.

BIBLIOGRAFIA/LEITURAS

1. Banga AK, Panus PC. Clinical Applications of Iontophoretic Devices in Rehabilitation Medicine. Crit Rev Phys Rehab Med. 1988; 10:147-179

2. Benta CA. A Prospective, Nonrandomized Study of Iontophoresis, Wrist Splinting, and Antiinflammatory Medication in the Treatment of Early-Mild Carpal Tunnel Syndrome. JOM. 1994; 36:166-168

3. Bertolucci LE. Introduction of Antiinflammatory Drugs by Iontophoresis: Double Blind Study. J Orthop Sports Phys Ther. 1982; 4:103-108

4. Costello CT, Jeske AH. Iontophoresis: Applications in Transdermal Medication Delivery. Phys Ther. 1995; 75:104-113

5. Dermitas RN and Oner C. The Treatment of Lateral Epicondylitis by Iontophoresis of Sodium Silicylate and Sodium Diclofenac. Clin Rehab. 1998; 12:23-29

6. Gudeman S et al. Treatment of Plantar Fasciitis by Iontoporesis of 0.4% Dexamethasone – a Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Study. Am J Sport Med. 1997; 25-312-316

7. Harris PR. Iontophoresis: Clinical Research in Musculoskeletal Inflammatory Conditions. J. Ortho Sports Phys Ther. 1982; 4:109-112

8. Hasson SH et al. Exercise Training and Daxamethasone Iontophoresis in Rheumatoid Arthritis: A Case Study. Physiotherapy Canada. 1991; 43:11-14

9. Hayes KW. Physical Agents, 4th Ed, p126-130. Appleton & Lange, Norwalk, Conn, 1993.

10. Japour CJ et al. Management of Heel Pain Syndrome with Acetic Acid Iontophoresis. J Amer Pod Med Ass. 1999; 89:251-257

11. Kim MK et al. A Randomized Clinical Trial of Dermal Anesthesia by Iontophoresis for Peripheral Intravenous Catheter Placement in Children. Ann Emerg Med. 1999; 33:395-399

12. Leduc S. Electric ions and their use in medicine. Liverpool: Redman Ltd. 1908

13. Li LC, Scudds RA. Iontophoresis: An Overview of the Mechanisms and Clinical Application. Arthritis Care and Research. 1995; 8:51-61

14. Riviere JE et al. Determination of Lidocaine Concentrations in Skin After Transdermal Iontophoresis: Effects of Vasoactive Drugs. Pharm Res. 1992; 9:211-214

15. Roberts MS. Targeted Drug Delivery to the Skin and Deeper Tissues: Role of Physiology, Solute Structure and Disease. Clin Exp Pharm Physiol. 1997; 24:874-879

16. Robinson AJ, Snyder-Mackler L. Clinical Electrophysiology. 2nd Ed. p 333-358. Willians & Wilkins. Baltimore, MD, 1995

17. Singh P et al. Transdermal Iontophoresis and Solute Penetration across Excised Human Skin. J Pharm Sci. 1995; 84:1342-1346

18. Singh P, Roberts MS. Effects of Vasoconstriction on Dermal Pharmacokinetics and Local Tissue Distribution of Compounds. J Pharm Sci. 1994; 83:783-791

19. Singh P, Roberts MS. Iontophoretic Delivery of Salicylic Acid and Lidocaine to Local Subcutaneous Structures. J Pharm Sci. 1993; 82:127-131

20. Varvel JR. et al. Absorption Characteristics of Transdermally Administered Fentanyl. Anesth.1989; 70:928-934

Informações sobre o IontoPatch®: Delta Médica Ltda. deltamedical@uol.com.br



Conteúdo Relacionado

Sem comentários

Adicione seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Open chat
Olá! Seja bem-vindo(a). Se tiver alguma dúvida, me procure. Estou a disposição para te ajudar.