Digite sua palavra-chave

post

A Importância da Inclusão da Fisioterapia Intradiálitica nos Centros de Hemodiálise: Revisão de Literatura

A Importância da Inclusão da Fisioterapia Intradiálitica nos Centros de Hemodiálise: Revisão de Literatura

INTRODUÇÃO

A doença renal crônica é caracterizada por uma lesão do órgão com perda progressiva e irreversível da função dos rins. Em sua fase mais avançada é definida como uma Insuficiência Renal Crônica (IRC), ocorre quando os rins não conseguem manter a normalidade. As principais causas da IRC são a hipertensão arterial e o diabetes mellitus (HIGA et al.,2007).

Sua definição, foi baseada em três componentes: anatômico ou estrutural (marcadores de dano renal); Funcional (baseado na Taxa de filtração Glomerular) e um componente temporal. Com base nessa definição, seria um portador de DRC (BASTOS,2011).

O aumento dos números de casos tem sido divulgado nas últimas décadas, no Brasil estimativas da prevalência dessa doença são incertas, com a divulgação de informação dessa enfermidade crônica entre os brasileiros melhoraria o planejamento de ações preventivas e assistenciais a população em geral. A DRC é atualmente considerada um problema de saúde pública mundial, no Brasil a incidência e a prevalência estão aumentando e os custos de tratamento são altíssimos (MARINHO et al.,2017; BASTOS,2010).

DRC apresenta diversos impactos sobre a vida do indivíduo e de seus familiares, mudando por completo suas rotinas diárias, além de aderir ao tratamento instituído, que vai de um complexo regime terapêutico, que inclui a realização de hemodiálise com um rigoroso regime medicamentoso, dietético e de controle de líquidos, que influencia diretamente nas taxas de morbi/mortalidade (LINS et al.,2018).

Modalidades de tratamento para insuficiência renal crônica terminal, se apresenta através da substituição parcial das funções renais que são: diálise, que subdivide em hemodiálise e dialise peritoneal e transplante renal. A hemodiálise é um tipo de tratamento substitutivo da função renal, realizado por uma máquina para remover líquidos e produtos do metabolismo do corpo humano quando os rins são incapazes de realizar. Os pacientes podem ser submetidos a esse tratamento pelo resto de suas vidas (GUEDES,2012).

Assim, os pacientes sofrem de algumas complicações como anemia, redução da capacidade aeróbica, desequilíbrio da homeostase corporal, diminuição da força e função muscular todos esses podem levar à redução da atividade física e ao aumento do número de internações, uma estratégia eficaz para controlar algumas dessas complicações da diálise é o exercício, que é uma atividade física estruturada, planejada, repetitiva e intencional, pois não só reduz as complicações mais também diminui taxa de mortalidade, podendo beneficiar a função cardiovascular, pressão arterial sistêmica, força muscular, estado nutricional e qualidade da diálise (GHAFOURIFARD et al.,2021).

O programa de Fisioterapia intradialítica melhora a força muscular e a mobilidade articular, aumentando a tolerância aos exercícios realizados no seu dia a dia, reduzindo níveis de dor e aumentando a capacidade funcional dos indivíduos. A inclusão da fisioterapia durante as sessões de HD contribui de forma positiva no aumento da capacidade funcional, na prevenção, no retardo da evolução e na melhoria de várias complicações apresentada pelo paciente renal e é uma proposta segura, de fácil aplicação que vem se mostrando eficaz (LIMA, 2019; ALMEIDA et al., 2016).

MATERIAIS E MÉTODOS

Este artigo trata-se de uma revisão de literatura, na qual foi realizada e sintetizada as informações disponibilizadas no banco de dados virtualmente, publicados através das bases de dados cientificas do Scielo (Scientific Electronic Libray Online), Pubmed (Public Medline) e
Lilacs (Literatura Latino – Americana e do Caribe em ciências da saúde) no período de outubro/2022 a novembro/2022. Foram utilizadas as palavras chaves: Doença Renal Crônica. Fisioterapia. Hemodiálise.

Os critérios de inclusão foram: artigos disponíveis na íntegra publicados nos idiomas português e inglês, no período delimitado de 2004 até 2022 que abordam em seu contexto a doença renal crônica, hemodiálise e a fisioterapia. Como critérios de exclusão definiu-se: artigos que não abordasse de forma direta o tema da pesquisa, e por não se encaixarem no assunto abordado. Em seguida, os artigos selecionados foram filtrados novamente, havendo uma nova seleção para definição dos quais iriam ser inseridos no artigo. Por fim, como o presente estudo se trata de uma revisão de literatura, não houve necessidade de aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa.

RESULTADOS


DISCUSSÃO

A doença renal crônica, pode ser descrita como uma síndrome complexa caracterizada pela destruição lenta e progressiva dos néfrons, levando os rins a perda de sua funcionalidade, a intervenção da fisioterapia baseada em exercícios, os quais possuem como finalidade aprimorar a funcionalidade e minimizar o agravo ou a instalação de incapacidades. No estudo realizado por Silva (2013), foram avaliados 56 pacientes com DRC que realizava HD 3 vezes por semana há mais de 3 meses, os exercícios propostos pelo fisioterapeuta foram realizados três vezes por semana, durante 16 meses com duração de 20 minutos nas primeiras duas horas iniciais da HD, foi observado que o programa de exercício proposto durante a diálise, poderia proporcionar melhora significativa dos pacientes renais.

Sendo que, um estudo feito com 4 pacientes, Lopes et al., (2014), mostra que houve uma aplicação de exercícios duas vezes por semana, por um período de 5 semanas consecutivas, e ao final, responderam novamente a um formulário com informações referentes às câimbras e o SF-36, apontando que a realização dos exercícios promove redução no número e intensidade das câimbras, e melhora na qualidade de vida demostrando a necessidade da inclusão da fisioterapia com estes pacientes.

Na pesquisa realizada por Sanchez (2018), uma amostra de 51 pacientes com frequência semanal de 3 sessões de HD por semana, com 4 horas de duração foi implantado um programa de fisioterapia durante a diálise, nas primeiras horas de sessão respeitando a condição
clínica de cada indivíduo com duração de 25 minutos, três vezes por semana num total de 24 sessões, e mostrou como é benéfico e que a intervenção regular da fisioterapia está associada a uma menor frequência de edemas e câimbras e à diminuição do quadro álgico, como também influencia na melhora da função respiratória.

A visão de Santos (2014), nesse estudo trouxe que apesar do protocolo fisioterapêutico não promoveu efeitos expressivos esperados, não se pode afirmar que o tipo de abordagem realizada não deva ser implantado, já que houve ganhos na força muscular dos pacientes envolvidos no estudo.

Nesse estudo, Perryman (2004), incluiu uma paciente que participou de um programa de exercícios que incluía aquecimento, alongamento e fortalecimento, além dos exercícios aeróbicos, realizados na cadeira de diálise durante as duas primeiras horas para evitar instabilidades, onde que mostrou o papel do fisioterapeuta e sua abordagem foi bem sucedida para que a paciente fosse inserida ao seu nível anterior de atividades.

Já Padulla (2011), realizou um estudo com dois grupos de pacientes, onde que um grupo realizou fisioterapia e grupo controle não e foi visto que no aspecto dor nos pacientes submetidos a fisioterapia teve resultados positivos na melhora do quadro álgico dos envolvidos e em relação à saúde geral.

Souza (2014), nesse estudo foi observado que, houve como resultado benefício associado aos exercícios fisioterapêuticos em doente renal crônico em hemodiálise, fica evidente que a saúde mental, força muscular e a efetividade foram beneficiadas na HD, além da redução da pressão arterial e no consumo de medicamentos anti-hipertensivos, dentre outros.

Nesse estudo, Lara (2013), foi montado um protocolo de tratamento fisioterapêutico com os seguintes itens: alongamentos; exercícios circulatórios; cinesioterapia resistida e conscientização respiratória, os 17 participantes inseridos de forma voluntária teve um total de 24 sessões realizada durante a HD, pode ser observado que a intervenção fisioterapêutica durante a diálise pode promover a melhora da qualidade de vida.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante dos artigos analisados para esse estudo, foi identificado que a fisioterapia se mostrou eficaz na redução de dor, melhora da qualidade de vida, aumento da resistência física e muscular, boa realização da diálise, melhora na saúde em geral e também nas comorbidades funcionais, porém se faz necessário a execução de outros estudos com maior rigor metodológico e que descreva com mais detalhes os protocolos utilizados com os pacientes.

Dessa forma, a fisioterapia vem se apresentando relevante nas manifestações clínicas exposta por essa doença renal crônica, levando em consideração que os pacientes sejam esclarecidos que possa vim ocorrer algum tipo de intercorrência devido as complicações da própria patologia.

Esse estudo mostrou que o tratamento fisioterapêutico intradiálitico, contribui otimizando a vida social dos renais crônicos, lhe trazendo benefícios em seu estado de saúde atual.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, André Carvalho de; SILVA, Valdiney Carvalho da; REZENDER, Adriana Arruda Barbosa; RODRIGUES, Elizângela Sofia Ribeiro; SILVEIRA, Janne Marques; MIRANDA, Eduardo Fernandes de. Efeitos do protocolo de reabilitação fisioterapêutica na melhora da qualidade de vida e capacidade funcional de pacientes em hemodiálise. Revista Amazônia: Science & Health, v. 4, n. 2, p. 9-15, 25 maio 2016. Disponível em: http://ojs.unirg.edu.br/index.php/2/article/view/1196. Acesso em: 13 dez. 2022.

BASTOS, Marcus Gomes; BREGMAN, Rachel; KIRSZTAJN, Gianna Mastroianni. Doença renal crônica: frequente e grave, mas também prevenível e tratável. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 56, n. 2, p. 248-253, 13 maio 2010. Elsevier BV. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ramb/a/3n3JvHpBFm8D97zJh6zPXbn/?lang=pt. Acesso em: 13 dez. 2022.

BASTOS, Marcus Gomes; KIRSZTAJN, Gianna Mastroianni. Doença renal crônica: importância do diagnóstico precoce, encaminhamento imediato e abordagem interdisciplinar estruturada para melhora do desfecho em pacientes ainda não submetidos à diálise. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v. 33, n. 1, p. 93-108, mar. 2011. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: https://www.scielo.br/j/jbn/a/x4KhnSzYkqg8nKSCyvCqBYn/abstract/?lang=pt. Acesso em: 13 dez. 2022.

GHAFOURIFARD, Mansour et al. Hemodialysis patients perceived exercise benefits and barriers: the association with health-related quality of life. Bmc Nephrology, v. 22, n. 1, p. 1-9, 16 mar. 2021. Springer Science and Business Media LLC. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33726689/. Acesso em: 13 dez. 2022.

GUEDES, Karine Desirée; GUEDES, Helisamara Mota. Qualidade de vida do paciente portador de insuficiência renal crônica. Ciência & Saúde, v. 5, n. 1, p. 48-53, 24 maio 2012. EDIPUCRS. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/9734. Acesso em: 13 dez. 2022.

HIGA, Karina; KOST, Michele Tavares; SOARES, Dora Mian; MORAIS, Marcos César de; POLINS, Bianca Regina Guarino. Qualidade de vida de pacientes portadores de insuficiência renal crônica em tratamento de hemodiálise. Acta Paulista de Enfermagem, v. 21, n., p. 203-206, 24 ago. 2007. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: https://www.scielo.br/j/ape/a/YNqYjPtyWDBqnmP3TdF8dnx/abstract/?lang=pt. Acesso em: 13 dez. 2022.

LARA, Clarissa Rios; SANTOS, Fernanda Oliveira Agnys Guirra; SILVA, Thelso de Jesus; CAMELIER, Fernanda Warken Rosa. Qualidade de vida de pacientes renais crônicos submetidos à fisioterapia na hemodiálise. Ciência & Saúde, [S.L.], v. 6, n. 3, p. 163-171, 18 dez. 2013. EDIPUCRS. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/iberoamericana/N%C3%83%C6%92O%20https:/www.scimagojr.com/index.php/faenfi/article/view/13628. Acesso em: 14 dez. 2022.

LINS, Silvia Maria de Sá Basílio; LEITE, Josete Luzia; GODOY, Simone de; TAVARES, Joyce Martins Arimatea Branco; ROCHA, Ronilson Gonçalves; SILVA, Frances Valéria Costa e. Adesão de portadores de doença renal crônica em hemodiálise ao tratamento estabelecido. Acta Paulista de Enfermagem, v. 31, n. 1, p. 54-60, fev. 2018. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: https://www.scielo.br/j/ape/a/XrgGPyXqTQsBncc8zjTd5bc/abstract/?lang=pt. Acesso em: 13 dez. 2022.

LOPES, R.P.; FARIA, D.s.; SILVA, K.J.s.; DUARTE, H. Efeitos do Tratamento Fisioterapêutico Sobre as Câimbras em Pacientes Renais Crônicos Hemodialiticos. Periódico Científico do Núcleo de Biociências, v. 4, n. 7, p. 33-37, 30 jun. 2014. Instituto Metodista Izabela Hendrix. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistasizabela/index.php/bio/article/view/711. Acesso em: 14 dez. 2022.

LORENA PACHECO CORDEIRO LISBOA; TAINARA DOS SANTOS LIMA; PATRÍCIA DOS SANTOS LOPES. Abordagem fisioterapêutica em pacientes com insuficiência renal crônica durante a hemodiálise. Referências em Saúde do Centro Universitário Estácio de Goiás, v. 2, n. 02, p. 30–36, 2019. Disponível em: https://estacio.periodicoscientificos.com.br/index.php/rrsfesgo/article/view/222. Acesso em: 13 dez. 2022.

MARINHO, Ana Wanda Guerra Barreto et al. Prevalência de doença renal crônica em adultos no Brasil: revisão sistemática da literatura. Cadernos Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, p. 379-388, 9 out. 2017. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: https://www.scielo.br/j/cadsc/a/jFW54KJnR8hSQX5svKL5Gjn/abstract/?lang=pt. Acesso em: 13 dez. 2022.

PADULLA, Susimary Aparecida Trevizan; MATTA, Mayra Vilela da; MELATTO, Thais; MIRANDA, Regina Coeli Vasques de; CAMARGO, Marcela Regina de. A fisioterapia pode influenciar na qualidade de vida de indivíduos em hemodiálise? Ciência, Cuidado e Saúde, v. 10, n. 3, p. 564-570, 8 jan. 2011. Universidade Estadual de Maringa. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/269567300_A_fisioterapia_pode_influenciar_na_qualidade_de_vida_de_individuos_em_hemodialise. Acesso em: 14 dez. 2022.

PERRYMAN, Barbara; HARWOOD, Lori. The Role of Physiotherapy in a Hemodialysis Unit. Nephrology Nursing Journal, v. 31, n. 2, p. 215-217, abr. 2004. O Papel da Fisioterapia em uma Unidade de Hemodiálise. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/LoriHarwood/publication/8590079_The_role_of_physiotherapy_in_a_hemodialysis_unit/links/54a2ab3b0cf267bdb9042030/The-role-of-physiotherapy-in-a-hemodialysis-unit.pdf. Acesso em: 14 dez. 2022.

SANCHEZ, Hugo Machado; NASCIMENTO, Denise Mendes Batista do; CASTRO, Kassia de; SANCHEZ, Eliane Gouveia de Morais; MELO JUNIOR, Jair Pereira de; AGOSTINHO, Patrícia Leão da Silva. Benefits of intradialytic physiotherapy in quality of life, pain, edema and respiratory function of patients with chronic kidney disease. Fisioterapia em Movimento, v. 31, n. 07, p. 1-10, 10 maio 2018. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: https://www.scielo.br/j/fm/a/c7XHPcRRfmjLzvb9hW6M5jC/?lang=en. Acesso em: 14 dez. 2022.

SANTOS, Fernanda Agnys Oliveira Guirra; LARA, Clarissa Rios; SILVA, Thelso de Jesus; ROSA, Fernanda Warken. EFEITOS DE UM PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DURANTE HEMODIÁLISE EM PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA. Revista Inspirar • Movimento & Saúde, v. 6, n. 1, p. 12-17, fev. 2014. Disponível em: https://inspirar.com.br/revista/efeitos-de-um-protocolo-fisioterapeuticodurante-hemodialise-em-pacientes-com-insuficiencia-renal-cronica/. Acesso em: 14 dez. 2022.

SILVA, Saulo Freitas da; PEREIRA, Augusto Alves; SILVA, Weliton Aparecido Honorato da; SIMÔES, Roger; BARROS NETO, José de Resende. Physical therapy during hemodialyse in patients with chronic kidney disease. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v. 35, n. 3, p. 170-176, 04 jul. 2013. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: https://www.scielo.br/j/jbn/a/7pbhp7dng8QBvZPd9KK48pR/?lang=pt. Acesso em: 13 dez. 2022.

SILVA, Saulo Freitas da; PEREIRA, Augusto Alves; SILVA, Weliton Aparecido Honorato da; SIMÔES, Roger; BARROS NETO, José de Resende. Physical therapy during hemodialyse in patients with chronic kidney disease. Jornal Brasileiro de Nefrologia, v. 35, n. 3, p. 170-176, 04 jul. 2013. FapUNIFESP (SciELO). Disponível em: https://www.scielo.br/j/jbn/a/7pbhp7dng8QBvZPd9KK48pR/?lang=pt. Acesso em: 14 dez. 2022.

SOUSA, Roberta Maria Góes de; GUEDES, Lorena Barreto Arruda. BENEFÍCIOS FUNCIONAIS DA FISIOTERAPIA PARA PACIENTES EM HEMODIÁLISE. Revista Pesquisa em Fisioterapia, v. 4, n. 2, p. 107-113, 1 out. 2014. Escola Bahiana de Medicina e Saúde Publica. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/fisioterapia/article/view/362. Acesso em: 14 dez. 2022.

ARTIGO PUBLICADO EM 06/06/24



Conteúdo Relacionado

Sem comentários

Adicione seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Abrir bate-papo
Olá! Seja bem-vindo(a). Se tiver alguma dúvida, me procure. Estou a disposição para te ajudar.