Digite sua palavra-chave

post

A Ginástica Laboral nas Empresas

A Ginástica Laboral nas Empresas

A necessidade da prática de exercícios físicos no local de trabalho aumentou consideravelmente. Visto que, o número de funcionários com Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteomoleculares Relacionados ao Trabalho (L.E.R./D.O.R.T.) é grande. Assim, este estudo aborda a cinesioterapia laboral nas empresas utilizando um método de prevenção de DORT.

Novos processos de produção trouxeram mudanças consideráveis no ambiente de trabalho. Mais recentemente, a Era da Informática acentuou estas mudanças e catalisou suas conseqüências. Os “Tempos Modernos” impuseram uma nova rotina aos operários, que geralmente têm uma vida sedentária, passando muitas horas na mesma posição e quase sempre repetindo movimentos milhares de vezes por dia.(LIMA,2003;OLIVEIRA,2008).

Estudos dizem que cerca de quatromilhões de brasileiros são submetidos atratamento em razão de dores provocadas pela postura incorreta e pela pressão diáriade situações competitivas no trabalho. Assim, houve anecessidade da criação de atividades que atuem direta e especificamente na prevenção de doençasnos sistemas muscular e nervoso dos trabalhadores. A crescente preocupação dasempresas com a saúde e desempenho de seus funcionários faz da Ginástica Laboral uma ótima oportunidade de trabalho para Profissionais de Fisioterapia e Educação Física.(OLIVEIRA,2006)

A Ginástica Laboral é praticada comintervalos de cinco a dez minutos diários. Tendo como objetivo proporcionar ao funcionário uma melhor utilização de sua capacidade funcional através de exercícios de alongamento, de prevenção delesões ocupacionais e dinâmicas de recreação. O programa de atividades deve ser desenvolvido após uma avaliação criteriosa do ambiente de trabalho e de cada funcionário em particular,respeitando a realidade da empresa e as condições disponíveis.(OLIVEIRA,2007)

MATERIAL E MÉTODOS

Este estudo, através de uma revisão bibliográfica, considerando como fonte de dados bibliotecas eletrônicas como: Scielo, livros, revistas, monografiastrazendo o que é mais atual e abrangente  sobre cinesiologia laboral nas empresas

RESULTADOS E DISCUSSÃO


Doença Osteomuscular relacionada ao trabalho

Estas são doenças ocupacionais relacionadas a lesões por traumas cumulativos. É o resultado de uma descompensação entre a capacidade de movimento da musculatura e a execução de movimento rápido e constante (OLIVEIRA, 2006)

O termo Lesões por Esforços Repetitivos (LER), adotado no Brasil, está sendo, aos poucos, substituído por Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT). Essa denominação destaca o termo distúrbio ao invés de lesões, o que corresponde ao que se percebe na prática: ocorrem distúrbios em uma primeira fase precoce, tais como fadiga, peso nos membros e dor, aparecendo, em uma fase mais adiantada, as lesões (RAGASSON et al., 2005).

Ergonomia

Estuda os aspectos do trabalho e sua relação com o conforto e bem-estar do trabalhador. Esta mais ligada às posturas, movimentos e ritmo determinados pela atividade e conteúdo dessa atividade, nos seus aspectos físicos e mentais. A ergonomia intervém analisando o trabalho, as posturas adotadas pelo trabalhador, sua movimentação e seu ritmo que de modo geral são determinados por outros fatores organizacionais.(FIGUEIREDO,2005; MARTINS,2005)

O principal objetivo da ergonomia é dar condições de trabalho onde haja maior conforto e bem-estar do operador a partir da análise da atividade. As melhorias ergonômicas se referem a vários aspectos do trabalho, tais como: cadeiras, mesas, bancadas, e ainda, o planejamento e localização de dispositivos; a quantidade, qualidade e localização da iluminação; indicações sobre melhorias na organização da atividade, incluindo o planejamento de novos dispositivos de trabalho ou modificação nos existentes e alteração doritmo e seqüenciamento de várias tarefas desempenhadas pelo operador.( MENDES,2004; NAHAS,2006)

Os principais fatores determinantes da Dort – (Distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho)

1. Postura:

Postura fixa é um fator de risco principalmente em trabalhos sedentários. No entanto em trabalhos mais dinâmicos, com posturas extremas de tronco como, por exemplo, abaixar-se e virar-se de lado também foiidentificado como fator de risco.(MACIEL,2005)

As más posturas de extremidades superiores também se constituem como fatores de risco, tais como: desvios dos punhos, braços tensionados e elevação do ombro.Todos esses desvios são influenciados por uma série de fatores ocupacionais e individuais, incluindo característica do posto de trabalho, Ex: altura da mesa, da cadeira, formato da cadeira e seu encosto, etc.(op.cit)

2 . Movimento e força:
Estes dois fatores estão correlacionados ao aparecimento da Dort – (Distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho) nas mãos e punhos.  A combinação de forças elevadas e alta repetitividade aumentam a magnitude da lesão mais do que qualquer uma delas isoladamente.Movimentos repetidos podem danificar diretamente os tendões através do freqüente alongamento e flexão dos músculos.(op.cit)
A força exercida durante a realização dos movimentos é outro determinante das lesões, como por exemplo, no levantamento, carregamento e utilização de ferramentas pesadas; a força necessária para cortar objetos muito duros, a utilização de parafusadoras e furadeiras

3. Conteúdo de trabalho e fatores psicológicos:

A relação entre trabalho e a saúde é afetada pela organização do trabalho e fatores psicológicos relacionados ao trabalho, podendo contribuir para o aparecimento de disfunções músculo-esqueléticas. Passou-se a estabelecer a relação entre trabalho, stress e o sistema músculo-esquelético..(op.cit)

4- Características individuais:

O tipo de musculatura e características individuais parecem manter uma relação com a incidência dos problemas. Nesse sentido, as mulheres parecem ser mais suscetíveis que os homens. A distribuição de tarefas por sexo e conseqüentementena carga do trabalho determinam o aparecimento de problemas e estão ligados as características individuais..(op.cit)

Benefícios da Ginastica Laboral

O programa de Ginástica Laboral (GL) tem como objetivo prevenir a LER/DORT, além de interferir positivamente no relacionamento interpessoal, aliviando as dores corporais proporcionando benefícios tanto para o trabalhador quanto para a empresa apresentando resultados mais rápidos e diretos na saúde dos trabalhadores (OLIVEIRA, 2006).

A Ginástica Laboral promove adaptações fisiológicas, físicas e psíquicas, sua prática é exercida no ambiente de trabalho através de exercícios dirigidos e adequados para cada setor ou departamento da empresa. No momento em que a musculatura está sendo exercitada, há um aumento da temperatura corporal, tecidual e da circulação sanguínea provocados por adaptações fisiológicas. As adaptações físicas proporcionam melhoria na flexibilidade, mobilidade e postura do trabalhador. As psicológicas envolvem mudança de rotina favorecendo o relacionamento patrão/empregado e a integração entre pessoas que circulam pelo ambiente. O programa de Ginástica Laboral através da comunicação ativa expressada pelo corpo e pela cooperação nas atividades exercidas em duplas ou em grupos proporciona um convívio social diário, estabelecendo um encontro marcado com a saúde uma vez que integra as pessoas, e o espírito de equipe passa a prevalecer de forma que possam se conhecer melhor. Quando estes se exercitam em grupos trabalhando o espírito de equipe, proporciona além de uma melhor qualidade na produtividade, um crescimento pessoal do funcionário, essa mudança de rotina na empresa melhora consequentemente a saúde mental dos mesmos (ALMEIDA,2009;CADERNO,2006)

Comportamentos Relacionados á saúde e a Ginástica Laboral

Considerando oscomportamentos relacionados à saúde verifica-sea importância dasmortes prematuras e das morbidades, associadas ao modo como as pessoas vivem desta forma,  justifica-se o fornecimento de elementos para a efetivação de estratégias que auxiliem as pessoas a adotarem comportamentos considerados mais positivos do ponto de vista da saúde. (NAHAS,2006;FARINATTI,2006)

Ao se comparar as prevalências dos indicadores de homens e mulheres, constata-se que os homens participam menos da Ginastica Laboral, tem consumo insuficiente de frutas e verduras superior às mulheres, e ainda, consumo abusivo de bebidas alcoólicas. Contudo, as mulheres apresentam maior percepção negativa de estresseEssas diferenças de comportamento entre os gêneros foram observadas tanto a nível regional como federal. Desta forma, o governo federal criou uma política nacional de atenção primária ao homem objetivando a melhora do autocuidado e conscientização desta população do direito a saúde pública, incluindo também a tentativa de aumentar a adesão dos homens ao diferentes estratégias de prevenção de doenças(MONTEIRO,2009,SESI,2009,SOARES,2006)

Comparando a prevalência dos indicadores segundo participação na Ginástica Laboral, verifica-se diferença significativa nas variáveis: Inatividade física no lazer e no consumo abusivo de álcool. Entreos  gênero, poucas diferenças são encontradas na prevalência dos indicadores entre mulheres participantes e não participantes da ginástica Laboral  (GUIMARÃES,1998,MONTEIRO,2009;FERREIRA,2006; TIRLONI,2009)

Em contra partida,entre os homens, importantes diferençassão evidenciadas. O consumo insuficiente de frutas e verduras é mais prevalente entre os trabalhadores participantes da Ginástica Laboral. Isso reforça a ideia de que a Ginástica Laboral precisa se preocupar, também, com outros comportamentos relacionados àsaúdenãosó com a atividade física. De Acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o consumo de frutas e verduras e um importante fator preventivo de doençascrônicasnãotransmissíveis (DCNT) (MONTEIRO,2009;SESI,2009;WORLD,2002;WORLD,2010)

DISCUSSÃO

Evidências demonstram a importância da Ginástica Laboral na prevenção de doenças ocupacionais, tais como LER/DORT, na redução dos acidentes de trabalho e das faltas, bem como no aumento da produtividade, na diminuição dos gastos com assistência médica e, consequentemente, em um maior retorno financeiro para as empresas (JIMENES, 2002; FERREIRA, 1998; RevConfef, 2007).

Há um grande número de trabalhadores portadores de LER/DORT e os empresários ainda investem pouco em prevenção. A Ginástica Laboral pode ser considerada uma alternativa para o problema, pois é considerado um exercício físico eficaz para prevenir doenças relacionadasao trabalho e, assim, melhorar a qualidade de vida do trabalhador. É interessante, entretanto, notar que a ginástica, por si só, não terá resultados significativos, se não houver uma elaborada política de benefícios sociais,além de estudos ergonômicos, da colaboração dos gerentes, dos técnicos de segurança do trabalho, dos médicos ocupacionais e dos profissionais de recursos humanos.(FACHINETO,2007)

Com relação aos resultados positivos da Ginástica Laboral, apresentados pelos diferentes autores, destacam-se o alívio das dores corporais, a diminuição dos casos de LER/DORT, o aumento da produtividade e um maior retorno financeiro para as empresas (MARTINS,2005; JIMENES, 2002; OLIVEIRA, 2006; RevConfef, 2007; RevBrasCineantropom Desempenho Hum 2010;RevBrasEduc Fís Esporte,2013 )
Fica evidente, portanto, que a Ginástica Laboral é eficiente na prevenção das doenças ocupacionais, na melhoria da qualidade de vida do trabalhador e na diminuição do absenteísmo(ROSÁRIO,2004,Rev.Bras.deSaúde Ocupacional,2006.)

CONCLUSÃO

A relevância da Ginástica Laboral no ambiente de trabalho, estána prevenção de  alguns distúrbios osteomusculares como a LER/DORT, e ainda, é uma proposta interessante, pois  produz efeitos positivos no combate ao sedentarismo e suas conseqüências, conscientizando os trabalhadores sobre a importância da movimentação natural do corpo, conservação da postura e sua saúde, tão fundamentais para o desempenho profissional e a harmonização no ambiente de trabalho, além de ser um fator satisfatório para a maioria das empresas que através da Ginástica Laboral investe na melhoria da imagem da instituição junto aos empregados e a sociedade, contribuindo para a manutenção do bem estar físico mental e social de seus colaboradores gerando assim um aumento de produtividade.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, D. M. de; MATOS, D. G. de; SAVÓIA, R. P.; ZANELLA, A. L.; FILHO, M. L. M.. Os benefícios da prática de ginástica laboral, fator de bem-estar e produtividade na perspectiva dos funcionários participantes. LecturasEducación Física y Deportes, Revista Digital. Buenos Aires, v. 134, p. 2009. http://www.efdeportes.com/efd134/os-beneficios-da-pratica-de-ginastica-laboral.htm 
Acessado em 7/9/13    

CADERNO TÉCNICO-DIDÁTICO SESI. Ginástica na empresa, 2006.

Fachineto S, Sa CA. Variação sazonal dos hábitos alimentares pratica de atividade física, composição corporal e pressão arterial de universitários. Cinergis2007;8(2):49-60.
. Farinatti PT, Ferreira MS. Saúde, promoção da saúde e EducaçãoFísica: conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2006

FERREIRA EA.Proposta de programa de ginástica laboral. Londrina, PR: Universidade Estadual de Londrina (Monografia de conclusão de curso), 1998.

Ferreira, M. C. (2006). Qualidade de vida no trabalho (QVT). In A. D. Cattani&Holzmann, L. (Org.),
Dicionário de Trabalho e Tecnologia. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS.

FIGUEIREDO F, ALVÃO MA. Ginástica laboral e Ergonomia. Rio de Janeiro: Sprint, 2005.
Guimarães, V. N. (1998). Qualidade de vida no trabalho e introdução de inovações tecnológicas: estudo comparativo de casos na indústria mecânica de Santa Catarina. Revista de Ciências da Administração, 1(0), 77-86.

JIMENES P. Ginástica laboral: bem-estar do trabalhador traz resultados surpreendentes. Revista CIPA 2002;171:70-81.

Lima V. Ginastica Laboral: atividade física no ambiente de trabalho. São Paulo: Phorte, 2003.

MACIEL, Regina Heloisa, ALBUQUERQUE, Ana Maria F. Costa, MELZER, Adriana C. et al. Quem se beneficia dos programas de Ginástica Laboral? Cad. psicol. soc. trab., dez. 2005, vol.8, p.71-86. ISSN 1516-3717.

MARTINS SB. O conforto no vestuário: uma interpretação da ergonomia. Metodologia para avaliação de usabilidade e conforto no vestuário. [Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduaçãoem Engenharia de Produção] Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2005.

MENDES R A, LEITE N. Ginástica laboral: princípios e aplicações práticas. Barueri, SP: Manole, 2004.

MONTEIRO CA, Malta DC, Moura EC, Moura L, Morais Neto OL, et al. Vigitel Brasil 2009. Vigilância de fatores de risco e proteção para doençascrônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Brasília; 2009.

NAHAS MV. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida. Londrina: Midiograf, 2006.

OLIVEIRA, J. R. G. A Prática da Ginástica Laboral. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Sprint, v. 01. 133, 2006..

OLIVEIRA, J. R. G. (2007). A importância da ginástica laboral na prevenção de doenças ocupacionais. Revista de Educação Física, 139(1), 40-49.

OLIVEIRA, J. R. G.; SAMPAIO, Adelar Aparecido. A Ginástica Laboral na promoção da saúde e qualidade de vida do trabalhador. Caderno de Educação Física (UNIOESTE), v. 07, n. 13 p. 71-79, 2008.

PITANGA FJG, Lessa I. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo no lazer em adultos. Cad Saúde Pública. 2005;21:870-7.

RevBrasCineantropom Desempenho Hum 2010, 12(6):443-450

RevBrasCineantropom Desempenho Hum 2013, 15(1):27-37

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 31 (114): 149-160, 2006

RevBrasEducFís Esporte, (São Paulo) 2013 Jan-Mar;27(1):15-23

RevConfef. Ginástica laboral: intervenção exclusiva do profissional de educação física,2007; 23: 12-4.

ROSÁRIO JLR, Marques AP, Maluf AS. Aspectos clínicos do alongamento: uma revisão de literatura. RevBrasFisioter2004;8(1):83-8

SESI. Estilo de vida e hábitos de lazer dos trabalhadores das industrias brasileiras: relatório geral. Brasília. 2009.

SOARES RG, Assunção AA, Lima FPA. A baixa adesão ao programa de ginastica laboral: buscando elementos do trabalho para entender o problema. RevBrasSaudeOcup2006;31(114):149-60.

TIRLONIi AS. Variáveis de interferência no conforto e no desempenho dos exercícios físicos na ginástica laboral [Dissertação]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2009

World Health Organization. World health report 2002. Reducing risks, promoting healthy life. Geneva: WHO, 2002

World Health Organization.Global Strategy on Diet, Physical Activity and Health.2010; Disponível em:< http://www.who.int/dietphysicalactivity/ publications/ releases/ pr84/en/ >(acessado em 8/9/13)



Conteúdo Relacionado

Sem comentários

Adicione seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Open chat
Olá! Seja bem-vindo(a). Se tiver alguma dúvida, me procure. Estou a disposição para te ajudar.
Powered by